Tradução

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O QUE É ADOLESCENCIA



            Sinônimo de período de crise no desenvolvimento humano, a adolescência tornou-se assunto sempre presente, entre pais que se encontram, em rodas sociais. Independentemente de credo, raça ou classe sócio-econômica, os jovens na faixa etária de 14 a 21 anos tornaram-se motivo de preocupação para os adultos, em sua maioria também surpresa e despreparada para lidar com todos os aspectos da crise que envolve seus filhos, na transição de criança para adulto.
            Crises de insegurança, indefinição profissional, rebeldia, desorganização, depressão, obesidade, síndrome de pânico e, nos casos mais sérios gravidez indesejada, violência e uso de drogas são alguns dos problemas que podem aparecer na fase de adolescência. Fruto da sociedade tecnológica, a adolescência transformou-se num dos principais focos de atenção de psicólogos e educadores, principalmente nos últimos vinte anos.
            Em primeiro lugar, podemos definir a adolescência como a diferença entre a capacidade reprodutiva (que surge com a puberdade) e a capacidade de produção, a capacidade de trabalho de um indivíduo. Por esta definição, o adolescente torna-se capaz de criar biologicamente uma família, antes que seja capaz de sustentá-la com o seu trabalho. Em nossos dias, a própria lei mostra-se bastante confusa em relação ao assunto: O adolescente pode se casar, mas não pode fazer crediário; pode votar, mas não pode dirigir, como se a confusão que caracteriza este período, espelhasse a indefinição da sociedade a respeito da identidade de seus jovens.
            Quando buscamos, historicamente, compreender esta questão que preocupa a todos, encontramos dados interessantes: Nas sociedades ditas primitivas, não havia adolescência. Nas antigas culturas indígenas, por exemplo, onde a estrutura de vida era mais simples, voltada para atividades agrícolas e artesanais, mais integradas à natureza, o jovem púbere, menino ou menina, passava por um ritual de iniciação, sendo logo inserido no contexto de trabalho do adulto. Este ritual ajudava o jovem a construir uma identidade e a situar-se na estrutura social à qual pertencia. Isto se tornava possível, porque estas culturas não tecnológicas requeriam menor tempo de preparação para o desempenho das atividades profissionais. Mesmo em nossa sociedade, no início do século passado, era comum a figura do aprendiz de ofício. O menino que trabalhava no armazém, na oficina ou na marcenaria, fazendo pequenos serviços de auxiliar. Com o surgimento das leis que regulamentaram o trabalho do menor, ao mesmo tempo em que se evitou o abuso e a exploração, impediu-se que a aprendizagem vivencial e a ocupação produtiva funcionassem como fator educativo, para a construção de uma identidade profissional.
            Hoje, diante de uma economia globalizada e altamente especializada, o jovem necessita de muito mais tempo de aperfeiçoamento profissional, para que possa se inserir no mercado de trabalho. Ao mesmo tempo, a multiplicidade de profissões (muitas ainda pouco conhecidas) decorrentes do avanço científico, deixam confusos os jovens que terminaram a formação geral, sem a maturidade emocional necessária para que se defina uma carreira. Some-se a isto a própria crise da sociedade atual, carente de valores morais que sirvam de exemplo para as novas gerações, para que se tenha uma idéia do que significa ser adolescente, neste mundo moderno cheio de riscos e pressões.
            Principalmente a geração de pais pós década de 80, teve que desenvolver novos conceitos educacionais que substituíssem o velho modelo da palavra-chave obediência, pela palavra-chave conseqüência, para que pudesse orientar seus filhos, em meio ao caos da cultura moderno, que os bombardeia com apelos mercadológicos, quase sempre sem nenhuma preocupação com a preservação de valores morais ou culturais. Se nas gerações passadas os pais mandavam e os filhos obedeciam (ou desobedeciam escondido, mas ainda com muito medo), neste momento de crise social, somente o diálogo e o questionamento permanente, quanto às conseqüências dos próprios atos, pode funcionar como instrumento orientador para o jovem que precisa encontrar a sua meta existencial, numa sociedade tão confusa e desestruturada.

No dia 25/04/15, Sábado, no horário de 08:00 as 12:00, venha participar do Workshop ADOLESCENCIA e aprender estratégias efetivas para lidar com as crises da adolescencia. Informações e inscrições pelo Cel 55 22 99955-7166

local: CEC - CENTRO DE ESTUDOS DO CÉREBRO - Rua Ernesto Brasílio, 14 - Sala 203 - Centro - Nova Friburgo/RJ

SUELI MEIRELLES - Especialista em Psicologia Clínica -  CIT – Colégio Internacional de Terapeutas


sexta-feira, 3 de abril de 2015

PÁSCOA - Poema de Sueli Meirelles


Afinal, o que é a Páscoa?

Páscoa é Paixão,
É Gratidão,
Ressurreição.

Na sexta-feira,
O enterro dos pecados teus,
Pelo desrespeito às Leis de Deus.

No Sábado,
O despertar da gratidão,
Por tudo que recebestes,
E nem sequer percebestes.
Aleluia, irmão!

No Domingo
A Ressurreição do Cristo em teu coração.
O renascimento para uma nova vida,
Em plena comunhão.

E assim acordado,
Poderás seguir a vida,
Antes tão sofrida, 
Com amor no coração.

Este foi o ensinamento
Que o Mestre te confiou.

Transforma-o em ofício,
Para que o seu sacrifício,
Não tenha sido em vão.


Sueli Meirelles, em Nova Friburgo, 02/04/15, às 03:00