Tradução

sexta-feira, 30 de junho de 2017

PROJETO ÁRVORE DA FORTUNA - Sueli Meirelles





Amigo/Amiga Friburguense: Você já imaginou a Nossa Friburgo vestida com flores de Manacás? IMAGINE! Ainda dá tempo. Mãos à OBRA!




1. NOME DA PROPOSTA

PROJETO “ÁRVORE DA FORTUNA

1.1 - JUSTIFICATIVA
          
          A maioria da população desconsidera a importância das árvores nos processo de oxigenação, purificação do ar, etc. Por esse motivo, acreditamos que simplesmente arborizar uma cidade não é suficiente para que as árvores sobrevivam, sem um trabalho de conscientização e motivação junto a todos os moradores.
            Por outro lado, consideramos que o fato de que cada morador tenha um interesse pessoal na sobrevivência de uma árvore, pode contribuir grandemente para que ele assuma a responsabilidade de preservá-la.


 1.2 -  OBJETIVOS

·      Incentivar a arborização da cidade, com vistas ao reequilíbrio ecológico e conseqüente harmonização climática;
·      Promover a associação psicológica entre lucro e preservação ambiental, desenvolvendo, em cada participante do projeto, hábitos de cuidado e respeito para com os seres do Reino Vegetal.

2. PESSOA OU ENIDADE QUE ESTÁ PROPONDO

INSTITUTO VIR A SER
Rua Monsenhor Miranda, 17, Sala 101 – Centro Nova Friburgo/RJ
2.1 – REPRESENTANTE LEGAL

DRA. SUELI MEIRELLES

2.2 RESPONSÁVEL TÉCNICA

DRA. SUELI MEIRELLES
CRP 05/11601 (UGF/RJ- 1986)
Psicóloga Clínica do CIT- Colégio Internacional de Terapeutas (2006)
MBA em Gestão de Projetos na Abordagem Transdisciplinar (UNIPAZ- 2005)
Fundadora e Coordenadora do INSTITUTO VIR A SER
Consultora Desenvolvimento Humano, Saúde Integral, Ecologia Integral, Educação para a Paz e Implementação de Projetos Sociais.


3. DESCRIÇÃO DA PROPOSTA


3.1 - Cada participante receberá do Governo Municipal, através da Secretaria do Meio Ambiente, um pé de Manacá da Serra, que será plantado na calçada, diante de sua residência, o qual será por ele cuidado e conservado.

3.2 – Este tipo de árvore será avaliado pela Secretaria de Meio Ambiente, dentro dos critérios adequados, estabelecidos para o projeto de arborização da cidade.

3.3 – Poderão também participar do projeto todos aqueles que já tiverem uma árvore plantada em sua calçada, desde que a mesma esteja saudável e dentro dos critérios estabelecidos pelo órgão gestor.

3.4 - No ato de recebimento da muda, o participante será cadastrado, atribuindo-se-lhe um número de inscrição, para participação do sorteio realizado ao final de cada ano.

3.5 - Nos casos de condomínios de apartamentos, a árvore plantada será de responsabilidade dos mesmos, através do seu representante legal.

3.6 - No dia 20 de Dezembro de cada ano, será realizado um sorteio entre os moradores cadastrados no projeto, entregando-se um prêmio ao vencedor, em espécie, pela manutenção e cuidados dispensados à árvore sob sua responsabilidade.

3.7 - O valor do prêmio (em espécie ou em isenção do IPTU anual) será divulgado previamente, por ocasião da divulgação do projeto, ao público.

3.8 - Nos casos em que a árvore do morador sorteado não estiver saudável e bem cuidada, será sorteado outro morador.

3.9 - A avaliação do estado da árvore sorteada será realizada por uma comissão previamente designada para este fim.

3.10 - A entrega do prêmio será realizada em cerimônia pública, com ampla divulgação nos meios de comunicação, visando-se alcançar os objetivos estabelecidos.

3.11 - Por ocasião da divulgação do projeto, serão distribuídos textos explicativos sobre o mesmo, bem como sobre a importância das árvores para a harmonização ambiental e para a manutenção da saúde de todos os seres vivos.

3.12 – Esta divulgação será feita também nas escolas da Rede Pública e Privada de ensino e nas Comunidades, através de Líderes Comunitários e das Instituições Religiosas.


3.13 - O projeto poderá receber o apoio financeiro de empresas privadas e órgãos de divulgação.

3.14 – O presente projeto é passível de modificações e acréscimos que se façam necessários, no decorrer de sua avaliação e implantação.                                                        

4. RESPONSÁVEIS PELA EXECUÇÃO DA PROPOSTA:

  Secretaria Municipal de Meio Ambiente

     Em ação conjunta com as Secretarias Municipais de Educação, Ação Social, Escolas Públicas e Privadas, Entidades Religiosas e profissionais Especializados da Área de Educação, Ação Social e Meio Ambiente.

5. RESULTADOS A SEREM ALCANÇADOS COM A IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA E AS MUDANÇAS QUE OCORRERÃO NA CIDADE:

·     Melhoria da qualidade do ar, com redução dos índices de poluição e da temperatura ambiente.
·     Aprimoramento da imagem da cidade.

6. POPULAÇÃO E/OU SETOR QUE SERÁ BENEFICIADO COM A IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA:

             Toda a população friburguense.

7. ESTIMATIVA DO CUSTO DA PROPOSTA:

·      Implantação...........................Custos a serem avaliados.
·      Manutenção............................Custos a serem avaliados.


8. FONTES DE FINANCIAMENTO PREVISTAS

       Recursos obtidos com as parcerias.

9. ESTÁGIO DA PROPOSTA

              Em projeto.


10. PRAZO PREVISTA PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

              Entre 6 meses e 1 ano

11. LINHA ESTRATÉGICA DA AGENDA 21 EM QUE SE ENCAIXA A PROPOSTA

              Na linha estratégica 2 (qualificar a população para os desafios da globalização e da sociedade do conhecimento, promovendo a educação como fator de competitividade, e de ascensão e coesão social e de civilidade:
            
              Linha 1, item 4.1 - Utilização do patrimônio ambiental, especialmente as áreas verdes e os recursos hídricos do município, criando atividades capazes de gerar emprego e renda.
              Linha 3, item 1.3 – Desenvolvimento de novos padrões de mobiliário urbano, com concepção acolhedora e atrativa, que valorize o centro da cidade.
             Linha 3, item 5.1 – Tratamento paisagístico acolhedor
             Linha 5, item 3.3 – Valorização de patrimônio natural, integrando-o à paisagem urbana e promovendo o turismo ecológico.

12. OUTRAS PROPOSTAS QUE POSSAM INTERAGIR COM A PROPOSA APRESENTADA, E QUE SEJAM IMPORTANTES PARA ALCANÇAR OS RESULTADOS ESPERADOS.

             Todos os projetos de arborização viária que tenham sido ou venham a ser apresentados ao Plano Estratégico, cujos autores poderão se reunir, para integrar suas propostas.

13. IMPACTOS NEGATIVOS PELA NÃO REALIZAÇÃO DESTA PROPOSTA. OU SEJA, O QUE PODERÁ ACONTECER CASO A PROPOSTA NÃO SEJA IMPLEMENTADA.

            Aumento dos índices de temperatura ambiente, no verão.
.
14. OBSERVAÇÕES

·      Projeto apresentado pela Responsável Técnica na I MOSTRA NACIONAL DE PRÁTICAS EM PSICOLOGIA “Psicologia e Compromisso Social” – realizada no Centro de Convenções do Anhembi, na cidade de São Paulo, de 5 a 7 de Outubro de 2000 e no X Fórum Mundial da Paz, promovido pela UNIPAZ/SANTA CATARINA, em Florianópolis,  no período de 07 a 09 Setembro de 2016.

1. LOCAL, DATA E ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS PELO PROJETO

                                                           Nova Friburgo, 30 de Junho de 2017.


                                                      __________________________________
                                                                    DRA. SUELI MEIRELLES
                                                                        Responsável Técnica
Whatsapp: (22) 999.557.166

Se você ama Nova Friburgo, compartilhe esta ideia.








domingo, 25 de junho de 2017

HONRA AO PROFESSOR


Em pequena reunião social, neste fim de semana, um amigo fala sobre suas atividades como Médico. Ao meu lado, uma jovem permanece calada, até que ele a indaga sobre o que faz e ela responde: _Sou apenas professora. Eu intervenho:_ Parabéns por ser Professora, porque sem os Professores, todas as outras profissões não existiriam!... Para vocês Professores, escrevi este poema:

Apesar de tão desvalorizado,
Bendito seja o Professor,
 Que ensina aos seus alunos, 
com Amor.

Bendito seja o Professor
Que os liberta da dor!
Que dor?
Todos poderiam perguntar.
A dor que a ignorância pode provocar!

O que seria de nós sem os professores!...
Como poderíamos descobrir novas profissões e amores?
Como poderíamos comunicar
Novos pensamentos e sentimentos?
Como poderíamos ousar?
Ousar a expressão da alma,
Com precisão e calma,
Deixando as palavras fluírem
E os pensamentos seguirem,
Derramando-se no papel
Como um precioso cinzel,
Que vai talhando idéias transformadoras,
Em substituição às opressoras.

Parabéns a você Professor,
Que ensina com Amor!
Você é um escultor!

Seus alunos são Projetos Divinos Auto-realizáveis,
Que se desvelam em aulas infindáveis,
Até que a Obra-Prima de cada um,
Manifeste Absoluta e Preciosa Verdade:

ENTRE TODOS PRECISA EXISTIR IGUALDADE!


Sueli Meirelles, em Nova Friburgo, 25/06/17.

sábado, 10 de junho de 2017

O ESTIGMA DA LOUCURA: Qual o seu enquadre clínico?

         
            Ao longo da história da humanidade, milhares de pessoas têm sido segregadas em instituições psiquiátricas, por diagnósticos de insanidade mental, quando classificadas fora dos chamados padrões de normalidade social. Em termos de saúde, podemos distinguir dois tipos gerais de alterações psíquicas: As neuroses[1], compreendidas como distorções emocionais da percepção da realidade e as psicoses[2], definidas como distanciamento emocional e negação da realidade tridimensional. Por outro lado, a sociedade moderna, por suas múltiplas e atribuladas influências, contribui para a “normose” [3], para a “patologia da normalidade”, na qual comportamentos dissonantes e pouco saudáveis são aceitos como padrões sociais normais.
            O que buscamos focalizar neste pequeno ensaio é a importância do diagnóstico diferencial sobre as infinitas possibilidades funcionais do inconsciente profundo, que comanda o comportamento expresso dos indivíduos, através da linguagem simbólica, importante chave de acesso, transformação e cura psíquica.
            Ao pesquisarmos o termo loucura[4] no dicionário online, encontramos uma definição por si mesma bastante discutível: “Qualidade de louco, desprovido de razão. [Medicina] Distúrbio mental grave que impede alguém de viver em sociedade, definido pela incapacidade mental de agir, de sentir ou de pensar como o suposto; insanidade mental.”
            Em princípio, questionamos:_Desprovido de que tipo de razão[5]? Se os conceitos de certo e errado são relativos a cada pessoa, por que iremos negar ao “louco” as suas próprias razões? A razão que irá prevalecer, seguirá o ponto de vista de quem? Por outro lado, se o sentir é um estado interno, como podemos afirmar, cientificamente, que alguém está impedido de sentir?  Ou será que a dor insuportável para a sua sensibilidade  distanciou a pessoa do fato gerador de sofrimento? Este suposto padrão de normalidade é suposto por quem? Qual o critério pré-estabelecido para o conceito de normalidade? O conceito de normal[6], é sinônimo de: “conforme a norma ou regra; que serve de modelo; exemplar; regular habitual; ordinário”, e por sua vez, não tem significado de bom, mas de algo que ocorre segundo padrões de freqüência, como por exemplo, a corrupção sistêmica ou a violência urbana, nos dias atuais.
            Ao pesquisar o sentido de suposto[7] encontrei significados ainda mais estarrecedores: Falso; desprovido de verdade: Que se admitiu através de hipóteses, proposição usada para se deduzir alguma coisa; Supositivo; que se atribuiu falsamente a uma pessoa. Suposição; aquilo que se supõe. Etimologia (origem da palavra suposto): do latim suppositus. Suposto é sinônimo de fictício, figurado, hipotético, imaginário. Isto significa que, como profissionais de saúde mental, basta que “suponhamos” que alguém enlouqueceu, simplesmente porque discorda de nossa visão convencional de mundo? Como, a partir desses critérios de suposição, poderemos avaliar que alguém é normal ou não?
            Ao pesquisar o termo estigma[8], encontramos interessantes definições, que mantemos aqui na íntegra, para nossa reflexão: “Cicatriz (es) ocasionada(s) por uma ferida ou por um machucado; sinal. [Religião] Marca que representa as chagas de Cristo, feita ou aplicada por alguns santos em seus corpos. [Figurado] O que pode ser considerado ou definido como indigno; desonroso. [Medicina] Indício próprio de uma patologia (doença) [Antigo] Marca que era feita com ferro quente nos ombros ou braços dos bandidos, criminosos, escravos etc.”

Aprofundando mais ainda o significado, encontramos:

Estigma social é uma forte desaprovação de características ou crenças pessoais, que vão contra normas culturais. Estigmas sociais freqüentemente levam à marginalização. Exemplos de estigmas sociais históricos ou existentes podem ser deficiências físicas ou mentais, ilegitimidade, homossexualidade, filiação a uma nacionalidade, religião (ou falta de religião [1] [2]) ou etnicidade específicas, tais como ser judeu, negro ou cigano. Outrossim, a criminalidade carrega um forte estigma social. O estigma pode se apresentar em três formas, segundo Erving Goffman: [3] as deformações físicas (deficiências motoras, auditivas, visuais, desfigurações do rosto etc.); características e alguns desvios de comportamento (distúrbios mentais, vícios, toxico dependências, sexualidade, reclusão prisional etc.); e estigmas tribais (relacionados com a pertença a uma raça, nação ou religião).”
           
            Em trabalho de lingüística para mediação de conflitos[9], recentemente por nós publicado como E-Book, ressaltamos dois pressupostos fundamentais, que evidenciam como os diagnósticos de saúde podem afetar o estado emocional e mental do paciente. São eles: “A linguagem determina a visão de mundo” e, “palavras são gatilhos de disparam emoções e sensações”.  Tal reflexão nos remete ao questionamento do quanto o estigma da loucura pode ser infundado, significando muito mais o desconhecimento daqueles que detém o poder do diagnóstico, do que, efetivamente uma “doença” manifestada por alguém que talvez tenha uma visão mais ampla do que aqueles que a julgam e condenam à perda da credibilidade e exclusão social. Nós profissionais de saúde, precisamos ter muito cuidado com nossas palavras...
            Quando afirmamos que realidade é aquilo que pode ser percebido através dos nossos cinco sentidos ou da ampliação destes, esquecemos de incluir, cientificamente, as funções das glândulas hipófise (função intuitiva) e pineal (função de transcendência; de conexão com o Divino), estudadas em importantes pesquisas de ponta realizadas no Brasil, por Sérgio Felipe de Oliveira[10] e Júlio Peres[11]·, e por Andrew Newberg[12], na Universidade da Pensilvânia, bem como através das pesquisas por nós realizadas no decorrer dos últimos 28 anos, no Carrossel de Luz – Grupo de Pesquisas Noéticas[13], associado ao IONS – Institute of Noetic Sciences[14] que reúne pesquisadores de fenômenos psico-espirituais, ao redor do mundo.
            Em trabalho apresentado no VIII Congresso Internacional ALUBRAT[15]-Associação Luso Brasileira de Psicologia Transpessoal, em 06/10/2012, em Lisboa, Portugal, abordamos o tema: Psicologia e Emergência Espiritual: a integração possível entre atributos divinos e estados de consciência do ser humano, com a inclusão de alguns casos clínicos ilustrativos deste processo e que, em breve, será publicado também como E-Book.
            Ao longo de nossas pesquisas sobre estes fenômenos de estados superiores de consciência, percebemos que, cada vez mais aumenta o número de pessoas que vivenciam experiências de ampliação de consciência, sendo muitas delas, diagnosticadas como “loucas”, simplesmente porque suas percepções vão muito além dos restritos enquadres nosológicos[16] dos profissionais de saúde mental, quer sejam psicólogos ou psiquiatras. Em trabalho apresentado no Congresso Ciência, Saúde e Espiritualidade, na Universidade de Caxias do Sul, em 2007,no qual também apresentamos nossas pesquisas, tivemos a oportunidade de conversar, pessoalmente com Sérgio Felipe de Oliveira,Psiquiatra e Professor da USP, que sinaliza a gravidade do desconhecimento, por parte dos profissionais de saúde, em relação ao estabelecido em F.44.3[17] que classifica os estados de transe e de possessão, com ocorrências normais, em diversos contextos religiosos.
            Todos os aspectos acima mencionados nos convidam ao aprofundamento do estudo em torno desses fenômenos pesquisados por Pierre Weil[18], na Universidade Federal de Minas Gerais, em 1975, que assim classificou as possíveis Formas de Expansão da Consciência:

FORMAS DE EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA

1   .1.        REGRESSÃO NO TEMPO:
1.         1.1.Às experiências anteriores de vida (juventude, infância
            1.2. experiências Peri-natais (nascimento)
              1.3. experiências fetais e embrionárias
             1.4.Às vivências passadas (registros transpessoais
            1.5. Às experiências conflituosas de morte e renascimento
             1.6.Às experiências filogenéticas (evolucionárias – mineral, vegetal e animal).
             1.7.À unidade cósmica (fase monádica)
            1.8.Às experiências arquetípicas]
        1.9. Às experiências coletivas e raciais, em outros momentos do tempo (registro akáshico)

2.       2.    PROJEÇÃO:
                .2.1. Clarividência
                .2.1.    Clariaudiência
                 2.2.    Psicografia

           3.        PROGRESSÃO NO TEMPO
                  3.1.    Viagens à frente, no tempo; precognição


4.        CONSTRIÇÃO ESPACIAL:
4.1. Consciência de célula, tecido ou órgão
4.2.        Consciência de centros energéticos ou chakras


5.    EXPANSÃO ESPACIAL:
5.1.        Consciência de matéria inorgânica (mineral, vegetal e animal.
5.2.        Identificação com outras pessoas
5.3.        Identificação grupal
5.4.        União com toda a vida e com toda a criação
5.5.        Consciência planetária
5.6.        Consciência extra-planetária
5.7.        Consciência cósmica
5.8.        Experiências de outros universos e de encontro com seus habitantes
5.9.        Experiências com seres bem-aventurados ou furiosos
5.10.      Experiências “fora do corpo” físico
5.11.      Viagens clarividentes, viagens espaciais
5.12.       Telepatia, clariaudiência, psicografia.
5.13.      Canalização

            Consciente da necessidade de integrar estes novos conhecimentos ao meio acadêmico, Pierre Weil fundou, com Jean_Yves Leloup[19] e Monique Thoenig, a primeira Universidade Holística, que teve um importante papel na introdução da Psicologia Transpessoal na França, na Europa e posteriormente no Brasil, ao mesmo tempo em que as pesquisas neste campo foram ampliadas por outros pioneiros da Psicologia Transpessoal, tais como Rupert Sheldrake, Stanislav Grof, Stanley Krippner, integrando os fenômenos de expansão de consciência ao conceito de normalidade psíquica. Com sede na Granja do Ipê, em Brasília, em Setembro deste ano a UNIPAZ[20] completa 30 anos de existência, com várias unidades no Brasil e no exterior.
            Atuando clinicamente dentro da ATH- Abordagem Transdisciplinar Holística em Psicoterapia[21], também há 30 anos, encontramos, entre os vários casos clínicos que já acompanhamos, quer no consultório, quer nas pesquisas do Carrossel de Luz, um complexo de informações sobre os fenômenos psico-espirituais que, quando desconhecidos, podem conduzir os profissionais de saúde mental a grosseiros erros de diagnóstico diferencial entre fenômenos psicoespirituais e patologia. De modo geral, identificamos cinco possibilidades de fenômenos de expansão de consciência, que podem ser confundidos com estados patológicos da mente:

1.    FENÔMENOS PSICOESPIRITUAIS:

1.1.        Expansão da Consciência a Estados Superiores: Abertura de portais de consciência para outras dimensões de realidade, acompanhada por sentimentos de amor incondicional e compaixão por tudo e por todos. É um estado de consciência de unidade, compreendido pela Psicologia Transpessoal como uma meta evolutiva da existência terrena. É acessado através do arquétipo da criança sagrada; o lado mais ingênuo, autêntico e sensível de cada ser humano. As pessoas que funcionam neste estado de consciência, tendem a se proteger de ambientes conflituosos, percebidos como desconfortáveis e incompatíveis com a amorosidade característica desse novo olhar sobre a humanidade, muito útil para a conexão e canalização, em espaços religiosos, dos ensinamentos de seres espirituais altamente evoluídos;

1.2.        Fenômenos Regressivos à Vida Intra-uterina, Nascimento, Infância e juventude: Emergência de memórias traumáticas de infância, tais como perda súbita de genitores por assassinato ou acidentes, ou ainda, experiências de abuso sexual por parte de genitores, parentes próximos, amigos, vizinhos etc. Tal experiência fragiliza a personalidade, exigindo intervenções com técnicas regressivas à infância[22], para que a parte psíquica adulta possa, com verbos no tempo presente, atender às necessidades emocionais da parte psíquica criança, basicamente reconstruindo o histórico de vida, já que o cérebro não percebe a diferença entre fantasia e realidade: A memória é apenas a representação do real, através do filtro perceptivo contaminado pela emoção eliciada no momento da experiência traumática. É comum que a parte psíquica infantil apresente confusão mental, relacionada ao pequeno grau de abstração, comum às crianças de tenra idade, o que fragiliza a personalidade do paciente, como um todo;

1.3.        Fenômenos Regressivos aos Registros Transpessoais: Emergência de personalidades transpessoais traumatizadas, que necessitam de fechamento das gestalts que ainda permanecem abertas, pela falta de esvaziamento do conteúdo emocional eliciado na experiência. Quando dominadoras e rígidas, estas personalidades se sobrepõem à personalidade atual, como sintomas psicóticos, em sua maioria gerados por sentimentos de culpa e autopunição. Exigem experiência por parte do profissional de saúde, para que se proceda ao necessário acordo entre as partes dissociadas e a integração dessas personalidades, como traços normais e produtivos, à personalidade atual, depois de compreendidos como aprendizagens evolutivas da história da humanidade. Nesta experiência, a humildade e o auto-perdão são fundamentais para o resgate da inteireza psíquica;

1.4.        Processos obsessivos inter-vivos: Para nossa surpresa, como pesquisadores, encontramos, com freqüência, relações simbióticas entre os inconscientes de algumas pessoas vivas, em processos de dominação mental, unilateral ou recíproca, em função de memórias transpessoais emocionalmente mal elaboradas, exigindo recursos de intervenção terapêutica transpessoal, com todas as pessoas envolvidas;

1.5.        Processos Obsessivos Espirituais: muitas vezes os sintomas do paciente são provocados por trabalhos espirituais com formas-pensamento negativas, resultantes de sentimentos de posse, desejos de vingança ou de vínculos transpessoais negativos entre o paciente e o obsessor, passíveis de serem identificados através dos modernos recursos da Bioeletrografia[23] (imagem do campo áurico do paciente) Neste casos, os conhecimentos específicos para a identificação e abordagem das chamadas Presenças Intrusas (PIs), através da técnica de Captação Psíquica[24], são fundamentais para a resolução do processo e harmonização das personalidades atuais aprisionadas por vínculos emocionais e mentais negativos;


É possível a ocorrência simultânea de um ou mais dos padrões acima citados, exigindo do profissional de saúde mental, larga e longa experiência com diagnóstico diferencial de fenômenos complexos de emergência espiritual. Caso contrário, o diagnóstico e a medicação inibidora de sintomas irão funcionar como agravantes do quadro, que poderá se tornar irreversível, pela total lesão emocional do paciente que, sentindo-se desacreditado em suas verdades internas, irá se entregar ao rótulo da loucura e ao triste destino da internação em clínica psiquiátrica, com a conseqüente exclusão social, tendo sua vida produtiva totalmente destruída pelo rótulo da loucura.

2.    PATOLOGIA:

2.1.        Loucura: Aqui, fazemos uma retificação dos significados de loucura, inicialmente citado neste ensaio: Loucura não é: “Qualidade de louco, desprovido de razão. [Medicina] Distúrbio mental grave que impede alguém de viver em sociedade, definido pela incapacidade mental de agir, de sentir ou de pensar como o suposto; insanidade mental.” Loucura é o processo através do qual, em função do seu livre-arbítrio evolutivo, a Individualidade Eterna sede ao predomínio do Ego inflado, fragmentando-se pelos sentimentos de orgulho, vaidade e arrogância, abrindo espaço psíquico para a emergência de suas personalidades transpessoais dominadoras, que se sobrepõem à personalidade atual, assumindo o comando do comportamento expresso. Em alguns casos, a Individualidade inominada se recusa, por falta de humildade e desconhecimento da Lei de Causa e Efeito, a aceitar o retorno de suas energias mal qualificadas, para que sejam transmutadas em suas polaridades positivas. Permanece em estado de sofrimento psíquico e dissociação mental, até que o intenso desgaste emocional dobre a rigidez comportamental, e a reconduza ao processo de autoconhecimento e transformação interior. Nesses casos, também é comum que o quadro do paciente seja agravado por outros fenômenos psicoespirituais e/ou interferências de presenças intrusas, através da acentuação de seus traços negativos de medo, raiva, culpa, tristeza ou dor emocional. Cabe ressaltar que aqui nos referimos aos aspectos funcionais, não incluindo as patologias de origem neurológica, tais como tumores cerebrais, isquemias ou AVCs, que venham a provocar alterações de comportamento.


            Sobre o caráter das alucinações, Pierre Weil assim dispõe: “Além do mais, ela (A Psicologia Transpessoal) vem questionar a natureza mesma de muitos sintomas psicopatológicos; tudo indica que a maioria das alucinações, por exemplo, são manifestações regressivas a uma dimensão correspondente a períodos pessoais ou filogenéticos anteriores ao nascimento, e mesmo à vida intra-uterina. As evidências se acumulam e necessitam de novas sínteses das observações e pesquisas realizadas em campos tão diferentes em aparência, como a farmacopsicologia, a regressão hipnótica, a onirologia, a psicanálise ou a meditação.”

O enquadre clínico refere-se aos pressupostos teóricos que delimitam a maneira como o psiquiatra ou o psicólogo percebem o seu paciente. Quanto mais o nosso enquadre for especializado e restrito, maior será a possibilidade de que o comportamento do paciente seja considerado fora dos padrões de normalidade. Quanto mais amplo o nosso referencial teórico, maior a nossa capacidade para compreendemos os referenciais de mundo do ser humano integral, que se encontre sob nossos cuidados terapêuticos. Daí se infere a importância da Visão Holística e da Abordagem Transdisciplinar e, em especial, da Psicologia Transpessoal, no contexto da psicoterapia.
Deixando para trás os pressupostos científicos convencionais, descobrimos que o nosso fazer terapêutico torna-se algo intrinsecamente ligado a nossa essência humana, encontrando o feeling que abre as portas da comunicação simbólica do inconsciente profundo de nossos pacientes e resgatando a sabedoria interior que rege a tendência para a boa forma de todo organismo vivo; resgatando a autoconfiança que transforma o paciente em agente da própria história, num clima recíproco de respeito, comunhão e sinergia. Os resultados que podem ser obtidos através desses procedimentos vão muito além do que poderíamos falar sobre um conjunto de técnicas de intervenções terapêuticas. O que decorre do encontro entre esses dois novos seres humanos, no ponto limítrofe entre sanidade e loucura, ficará para sempre escrito no grande livro da vida, agora retomada sob um novo olhar e uma nova dimensão do que chamamos realidade...  A ponte estreita do sofrimento atroz é atravessada e, além dela um novo horizonte se descortina, abrindo campo para novas pesquisas que possam integrar ciência e espiritualidade
Neste exato ponto, indagamos a todos os colegas, profissionais de saúde mental:_Qual o seu enquadre terapêutico? Convidamos todos a compartilharem suas experiências profissionais, abrindo um amplo diálogo sobre os atuais estudos relacionados à saúde mental e às modernas pesquisas no campo dos fenômenos de ampliação de consciência, como o caminho possível para o resgate de tantas vidas prejudicadas por nossas estreitas visões científicas.
Deixo aqui, uma última pergunta aos prezados colegas:_O que chamamos de loucura é um estado patológico, intrínseco à natureza de um único indivíduo ou é a expressão, em uma pessoa sensível, dos desequilíbrios coletivos do seu entorno, condenando-a a ser depositária das mazelas ocultas pelos mecanismos defensivos de negação, de nossa sociedade egóica e normótica?...

                             Sueli Meirelles, em Nova Friburgo, 08 de Junho de 2017.

Especialista em Psicologia Clínica CRP/05-11601. Membro da UNIPAZ/CIT/ALUBRAT/IONS. Consultora em Desenvolvimento Humano, Saúde Integral, Ecologia Integral, Educação para a Paz e Implementação de Projetos. Escritora e palestrante em Congressos Nacionais e Internacionais.

                             Site: www.suelimeirelles.com

                    Email: suelimeirelles@gmail.com




[1] WEIL, Pierre. A Neurose do Paraíso Perdido. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo. CEPA, 1987.
[2] LOWEN, Alexander. Medo da Vida. São Paulo: Summus Editorial, 1986.
[3] WEIL, Pierre; Leloup, Jean-Yves; Crema, Roberto. Normose: A Patologia da
                      Normalidade. Campinas. SP: Versus Editora, 2003.
[5] Faculdade de raciocinar, apreender, compreender, ponderar, julgar; a inteligência.
"o homem tem o uso da razão"
2. https://www.dicio.com.br/razao/ Capacidade para resolver (alguma coisa) através do raciocínio; aptidão para raciocinar, para compreender, para julgar; a inteligência de modo abrangente: todo indivíduo é dotado ou faz uso da razão.

[16] Conceito de Nosologia: Refere-se ao estudo das manifestações que caracterizam as doenças que acometem o ser humano, permitindo classificá-las através do conhecimento de sua etiopatogenia, isto é, da causalidade e do mecanismo formado dos sintomas da enfermidade. Nosos = Enfermidade; Logos = Razão, princípio que permite explicar algo. Fonte: http://www.crp04.org.br/CRP2/Image/DIAGNOSTICO_NOSOLOGICO_PROPOSTA_REDACAO_CONSENSO.pdf

[21] Leia: Do Divâ à Espiritualidade: ATH – Abordagem transdisciplinar holística em psicoterapia. São Paulo: Idéias & letras, 2009. Disponível na Amazônia, kobo e Saraiva.

[22] Técnica de visualização criativa “O Álbum de Fotografias”, desenvolvida por Sueli Meirelles, com objetivos de facilitar a regressão à infância e a reintegração da personalidade, com o apoio da parte psíquica adulta.