Tradução

sábado, 22 de março de 2014

DIÁLOGOS ENTRE PSICOLOGIA E ESPIRITUALIDADE PARTE III


quinta-feira, 13 de março de 2014

A IMPORTANCIA DA FAMÍLIA


        Nos tempos conturbados de hoje, mais do que nunca, a família representa o ponto básico de apoio da estrutura social. Dentro da família, a criança estabelece os primeiros relacionamentos, que mais tarde serão ampliados para o contexto da escola e da sociedade. Neste sentido, o padrão de relacionamento com os pais servirá de modelo para o contato com outras pessoas.
         Cabe à família a tarefa básica de educar: Noções de limite e de respeito aos direitos alheios, permitem à criança desenvolver um código de valores morais e comportamentais. Este código de valores (em termos de certo e errado), quando adequadamente internalizado, contribui para o desenvolvimento do autocontrole exigido para o bom convívio em sociedade.
         Cada indivíduo é, ao mesmo tempo, determinante e determinado pelo contexto familiar e social, ou seja, cada pessoa sofre e exerce influencia sobre o seu meio, numa dinâmica constante de interação, onde, a cada momento, ocorrem pressões de parte a parte. Mediar este ponto de equilíbrio entre os extremos da repressão e da permissividade, através de um diálogo constante que substitua a obediência pela consequencia, parece ser a chave para a educação, em nossos dias. Se uma criança for criada num contexto familiar que lhe ensine a avaliar as conseqüências de seus atos, ela estará desenvolvendo uma estratégia comportamental que lhe permitirá tornar-se um adulto consciente, capaz de exercer plenamente a sua cidadania.
         Compete à família preparar a criança para conviver num mundo externo imperfeito, que possui regras justas e injustas, e que lhe exigirá uma permanente avaliação sobre até onde é adequado submeter-se às pressões sociais (padrão determinado), e até onde é adequado reagir a essas pressões (padrão determinante) e contribuir para as transformações sociais que se fazem necessárias ao processo evolutivo da própria humanidade. O treino constante dessa capacidade avaliativa colabora para o fortalecimento da parte psíquica adulta, cuja função é justamente avaliar e decidir-se pelas escolhas que se mostrem mais construtivas.
         A desestruturação social que observamos hoje, nada mais é do que o reflexo da perda de valores morais e educacionais que afetou os pais desta geração, tornando-os inseguros e permissivos diante de um mundo assustadoramente transformado.

 É preciso retomar o caminho educacional. É preciso construir novas regras e valores a partir de uma intensa reflexão e questionamento sobre a realidade atual, onde os erros podem nos ensinar “o que não fazermos” e os acertos podem nos estimular ao crescimento. Embora aparentemente este seja um momento confuso, ele representa também uma oportunidade de reformulação social, à medida que os pais de hoje têm a tarefa de preparar os cidadãos de amanhã e aí, então, podemos indagar: _ Que sociedade estamos ajudando a construir para o futuro de nossos filhos?...

            SUELI MEIRELLES Website: www.institutoviraser.com

Siga-nos, compartilhe e ajude a formar a Massa Crística para a Mudança de Mentalidade.

sábado, 8 de março de 2014

SER MULHER


 
O Ser, enquanto Essência é a totalidade que inclui o masculino e o feminino. No homem, o feminino fica latente e o masculino se expressa. Na mulher, o masculino se oculta, para que o feminino se manifeste, trazendo ao mundo concreto todos os seus potenciais de expressão. Ser mulher significa ser:

            O cálice, receptáculo da inspiração, no seu sentido mais profundo.
Aquela que tem o poder de mergulhar dentro de si mesma, conectando-se à Fonte Superior de toda a vida.
Aquela que através da própria sensibilidade é capaz de identificar-se com as forças mais sutis da natureza, com a beleza das formas, das cores e com o perfume das flores.
Aquela que, com o seu leve toque, é capaz de transformar e harmonizar tudo ao seu redor, resgatando a ordem em meio ao caos do mundo masculino.  Vocês já viram como é uma casa sem mulher?
Aquela cuja presença, em qualquer ambiente, resgata o lado humano de todos os seres, capaz de acolher, ouvir e compreender o outro.
Aquela que acompanha o seu parceiro evolutivo, ajudando-o a manifestar aquilo que tem de melhor dentro de si.
Aquela que detém os mistérios da vida, capaz de gerar em seu ventre um novo ser.
Aquela que acalenta este novo ser em seus braços, e que, em noites insones, vela pelo seu desenvolvimento.
Aquela que apesar das prováveis imperfeições, vê e sustenta o modelo perfeito, em cada um de seus filhos e filhas.
Aquela capaz de esquecer que a força física não é a sua principal virtude, para agigantar-se em defesa daqueles a quem ama.
Aquela que é capaz de criar do nada, para suprir-lhes as necessidades mais prementes.
Aquela que luta, sofre, cai, chora, levanta, sorri e segue adiante em sua missão.
Aquela que faz das tripas coração, nos momentos mais difíceis da vida.
Aquela que às vezes é pãe, na ausência de um pai.
Aquela que é sempre mãe, com todos os significados que o termo possa conter.
Aquela que está sempre disposta a cuidar dos outros, às vezes esquecendo-se de si mesma.
Aquela que mesmo depois de velhinha, ainda acha que sabe todas as coisas melhor do que os mais novos.
Aquela que prefere morrer antes dos seus, mesmo quando não sabe o que virá depois.
Aquela que, apesar de todos os seus erros e acertos, tem a difícil  missão de tornar este mundo mais ameno e acolhedor.
A Ela, as nossas homenagens no


 DIA INTERNACIONAL DA MULHER

                                                              SUELI MEIRELLES    Website: www.institutoviraser.com

Siga nosso Blog, compartilhe e ajude a formar a Massa Crística da Mudança de Mentalidade.

segunda-feira, 3 de março de 2014

A DINAMICA ALIMENTAR

            Por constituir uma das necessidades básicas do ser humano, a alimentação torna-se veículo de descargas emocionais relacionadas com as insatisfações diante da vida. Desde o nascimento, até a idade adulta, a maneira como uma pessoa lida com os alimentos expressa o modo como ela “digere” os estímulos do meio externo; A mastigação está associada aos sentimentos de agressividade verbal, às ruminações mentais diante dos problemas. As inflamações de garganta somatizam a raiva retida no segmento cervical; os problemas de estômago estão relacionados aos sentimentos de competência para alcançar metas estabelecidas; o mau funcionamento da vesícula biliar e do fígado expressa a raiva pela não realização dessas metas; os problemas intestinais simbolizam a dificuldade de eliminar o passado, pela retenção, ou a necessidade de se afastar dele, expressa pelo sintoma oposto. Diante dos problemas, o corpo “fala”, sob o comando do inconsciente, tudo aquilo que o consciente cala, na vã tentativa de ignorar os problemas.
            A fase oral do desenvolvimento psicológico situa-se entre o terceiro mês de vida até o final do primeiro ano. Nesta fase, o bebê tem o prazer de sugar, estabelecendo uma relação de oralidade com a vida. Se as necessidades emocionais desta fase deixarem de ser atendidas ou forem atendidas em excesso, ocorrerá um desequilíbrio do sistema psíquico, mantendo o indivíduo, já adulto, emocionalmente aprisionado a esta dinâmica: Diante do mundo, ele será o bebê que não pediu para nascer, acreditando que os outros devem sustenta-lo. As chamadas dependências orais (fumo, drogas, álcool, excessos alimentares (bulimias) ou inapetências (anorexias), gosto exagerado por doces ou chocolates, têm suas origens nos primeiros contatos da criança com os alimentos).
            Os problemas podem começar ainda na fase de aleitamento. Mães depressivas ou pouco afetivas terão dificuldades para amamentar seus filhos, pois não estarão afetivamente disponíveis para o bebê. Como este, nos primeiros meses de vida, relaciona-se de maneira simbiótica com a mãe, irá absorver o seu padrão emocional, estabelecendo uma dinâmica difícil com o alimento. Em outros casos, por insegurança, a mãe, avós e tias, criam uma dinâmica de ansiedade frente à alimentação do bebê, acreditando que ele deverá ser gordinho, para que seja considerado saudável. Dessa forma contribuem para que ele crie uma quantidade elevada de células adiposas, predispondo-o para a obesidade, que na adolescência será combatida com dietas e proibições alimentares, novamente geradoras de estresse. Pode ocorrer, ainda, que o alimento seja utilizado como prêmio ou castigo pelo cumprimento de tarefas, ou como consolo diante de outras frustrações, habituando a criança a compensa-las com a comida.
            O uso prolongado de mamadeiras, pelo medo de que a criança não esteja alimentada, retém parte do psiquismo na fase oral, gerando comportamentos de dependência em relação aos outros. Os vícios alimentares, mesmo que sejam apresentados à criança alimentos variados, estão diretamente relacionados aos hábitos alimentares da família, os quais servirão de modelo para o padrão alimentar que será desenvolvido pela criança.
            Pode ocorrer também que, diante da inapetência da criança, os adultos adotem toda a sorte de recursos, com o objetivo de estimular a criança a comer (cantar, dançar, bater palmas etc), transformando a hora da refeição num momento de estresse emocional, que irá provocar a contração do diafragma e o fechamento e encurtamento do esôfago. Em casos extremos, a criança poderá apresentar reações de vômitos, pela dificuldade de “engolir” toda a confusão criada ao ser redor. Este mesmo sintoma poderá aparecer em crianças de famílias em que existem segredos, em que as verdades não são faladas abertamente. Como a criança é o elemento mais sensível do grupo familiar, muitas vezes poderá expressar sintomas que não lhe pertencem, individualmente, mas fazem parte da família como um todo.
            Mesmo para os adultos, comer diante do aparelho de TV; comer discutindo negócios ou assuntos polêmicos; comer com pressa e em pé, com barulho excessivo é extremamente prejudicial à saúde, sem falar na qualidade dos alimentos ingeridos, muitas vezes totalmente distanciados de suas condições naturais. Por outro lado, comer devagar, prestando atenção ao sabor dos alimentos favorece o estabelecimento de uma relação prazerosa com a comida, contribuindo para a manutenção da saúde.
            A hora da refeição deve estar associada à calma e tranqüilidade: É um momento especial de gratidão por tudo o que a mãe Terra nos dá, na forma de alimento. É um momento de comunhão com o milagre da vida, que se apresenta sobre a mesa, na refeição de cada dia... Bom apetite!
(*) Psicóloga Clínica e Consultora em ATH

                                          SUELI MEIRELLES Site: www.institutoviraser.com

Siga-nos e compartilhe: Vamos promover a Mudança de Mentalidade que todos nós desejamos.

sábado, 1 de março de 2014

MASSA CRÍTICA - A LEI DA INTERINFLUENCIAÇÃO

Há séculos, as Trandições Sapientais da Humanidade nos ensinam que existe um campo informacional, através do qual exercemos e sofremos influencias uns dos outros: É a Lei da Interinfluenciação. 
Modernamente, o  Biólogo Rupert Sheldrake chama este fenomeno de Ressonancia Mórfica, conforme artigo publicado na Revista Gallileu, em edição de 1991:

Ressonância mórfica: a teoria do centésimo macacoNa biologia, surge uma nova hipótese que promete revolucionar toda a ciênciaPor José Tadeu Arantes,
ilustrações Dawidson França
Era uma vez duas ilhas tropicais, habitadas pela mesma espécie de macaco, mas sem qualquer contato perceptível entre si. Depois de várias tentativas e erros, um esperto símio da ilha "A" descobre uma maneira engenhosa de quebrar cocos, que lhe permite aproveitar melhor a água e a polpa. Ninguém jamais havia quebrado cocos dessa forma. Por imitação, o procedimento rapidamente se difunde entre os seus companheiros e logo uma população crítica de 99 macacos domina a nova metodologia. Quando o centésimo símio da ilha "A" aprende a técnica recém-descoberta, os macacos da ilha "B" começam espontaneamente a quebrar cocos da mesma maneira.

Não houve nenhuma comunicação convencional entre as duas populações: o conhecimento simplesmente se incorporou aos hábitos da espécie. Este é uma história fictícia, não um relato verdadeiro. Numa versão alternativa, em vez de quebrarem cocos, os macacos aprendem a lavar raízes antes de comê-las. De um modo ou de outro, porém, ela ilustra uma das mais ousadas e instigantes idéias científicas da atualidade: a hipótese dos "campos mórficos", proposta pelo biólogo inglês Rupert Sheldrake. Segundo o cientista, os campos mórficos são estruturas que se estendem no espaço-tempo e moldam a forma e o comportamento de todos os sistemas do mundo material.

Átomos, moléculas, cristais, organelas, células, tecidos, órgãos, organismos, sociedades, ecossistemas, sistemas planetários, sistemas solares, galáxias: cada uma dessas entidades estaria associada a um campo mórfico específico. São eles que fazem com que um sistema seja um sistema, isto é, uma totalidade articulada e não um mero ajuntamento de partes.

Sua atuação é semelhante à dos campos magnéticos, da física. Quando colocamos uma folha de papel sobre um ímã e espalhamos pó de ferro em cima dela, os grânulos metálicos distribuem-se ao longo de linhas geometricamente precisas. Isso acontece porque o campo magnético do ímã afeta toda a região à sua volta. Não podemos percebê-lo diretamente, mas somos capazes de detectar sua presença por meio do efeito que ele produz, direcionando as partículas de ferro. De modo parecido, os campos mórficos distribuem-se imperceptivelmente pelo espaço-tempo, conectando todos os sistemas individuais que a eles estão associados.
A analogia termina aqui, porém. Porque, ao contrário dos campos físicos, os campos mórficos de Sheldrake não envolvem transmissão de energia. Por isso, sua intensidade não decai com o quadrado da distância, como ocorre, por exemplo, com os campos gravitacional e eletromagnético. O que se transmite através deles é pura informação. É isso que nos mostra o exemplo dos macacos. Nele, o conhecimento adquirido por um conjunto de indivíduos agrega-se ao patrimônio coletivo, provocando um acréscimo de consciência que passa a ser compartilhado por toda a espécie. (Fonte: Revista Galileu. Para continuar lendo, copie e acesse:
http://galileu.globo.com/edic/91/conhecimento1.htm

Dando continuidade à teoria de Shaldrake, novos cientistas aderem a esta visão de mundo, resgatando a possibilidade de transformação de mentalidade, através da mudança pessoal de apenas 10% da população do planeta. Seja voce, também, um Agente de Transformações Sociais: Pratique, divulgue, compartilhe... E mude o Mundo a sua volta.



                                              SUELI MEIRELLES  Website: www.isntitutoviraser.com