Tradução

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

À ESPERA DE SER AVÓ - Poema



Nunca pensei que fosse assim:
Sentir amor em dobro
Por alguém que não nasceu de mim...

Mas a verdade é que estou babando a toa,
 Tão só,
Por pensar em ser avó.

Cada roupinha de bebe
Adquire novo encanto
Quando penso em te-lo no colo,
Para um simples acalanto.

E assim vou curtindo a espera,
Até que a doce quimera
Se torne a realidade
De te-lo aqui de verdade.

Sorrindo...Andando... Falando...
Cumprindo seu novo papel:
Ser, simplesmente,
Meu netinho GABRIEL.


                                                             Sueli Meirelles, em 16/05/11 (Data da Ultra)

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

DIÁLOGOS COM OS CONSELHOS DE PSICOLOGIA - Os Novos Rumos da Psicologia



Em nosso país, por questões culturais e face à carência de recursos para o financiamento de pesquisas para a produção de nosso próprio conhecimento científico, importamos teorias psicológicas desenvolvidas sobre outras culturas e que nem sempre são as mais adequadas à compreensão do modo de ser do brasileiro. Adaptar essas teorias, reconhecidamente úteis, às nossas características pátrias, transforma-se numa tarefa árdua para o profissional que procure desenvolver o seu trabalho em direção à demanda de uma realidade bem diferente daquela encontrada nos países de primeiro mundo.
            Diante desse quadro, cada vez mais o psicólogo vem perdendo espaço para os chamados “Terapeutas Holísticos”, assim intitulados por realizarem algum tipo de trabalho voltado para o processo de cura dos males psíquicos ou até mesmo físicos, sem a exigência de uma formação acadêmica que os habilite para tal. Este fato, além de representar um risco para aqueles que procuram estes novos “profissionais”, acaba por contaminar a imagem do psicólogo, com definições que variam da descrença ao misticismo.
          Situar-se neste contexto de mudanças radicais da nossa sociedade, buscando novos procedimentos terapêuticos, sem, contudo renunciar à exigência de que estes procedimentos se mantenham dentro de critérios científicos de qualidade e segurança, com fundamentação filosófica, princípios, leis e métodos específicos configurou-se como  grande desafio para o psicólogo consciente de sua função social transformadora.
            Todo o nosso saber científico produzido até a primeira metade do século passado baseou-se no pensamento newtoniano-cartesiano[1], reducionista e mecanicista, sobre o qual se construiu o método analítico, fundamentado na lei de causa e efeito. Buscando leis determinísticas e previsíveis que pudessem explicar os fenômenos observados, este método, dentro de uma visão objetiva do ser humano, situou-o como um ser vivente num espaço tridimensional plano, onde o tempo podia ser representado por uma linha reta entre o passado, o presente e o futuro. 
Diante das significativas transformações que ocorreram com o próprio ser humano nos últimos cinqüenta anos, fomos conduzidos à procura de um novo paradigma científico, que melhor pudesse explicar os fenômenos que desafiavam o nosso saber. Surgiu assim, o novo Paradigma Holístico,[2]
            O termo HOLISMO[3] tem origem em HOLOS (totalidade) e foi utilizado pela primeira vez, em 1926, pelo filósofo sul-africano, Jan Christian Smuts, em seu livro “Holism and Evolution”, no qual ele estabeleceu uma relação entre vida e matéria, considerando-as como partes de uma totalidade maior e única, onde cada conjunto ou sistema completo em si mesmo integra-se a conjuntos cada vez mais aperfeiçoados e abrangentes. 
                        Esta idéia sobre sistemas inter-relacionados expandiu-se rapidamente pelos cérebros pioneiros do pensamento científico, que passaram a buscar apoio para suas pesquisas em novas e revolucionárias teorias da Física Moderna.
                        Depois de 300 anos baseada na mecânica de Isaac Newton[4], com suas leis previsíveis, a ciência viu-se ás voltas com a possibilidade da reversão de energia em matéria; com a possibilidade de manifestação da energia ora como onda, ora como partícula; com novos conceitos de probabilidade que jogaram por terra a certeza e a concretitude dos modelos científicos de até então.
                        A Física Moderna abriu campo para o imponderável, e nada melhor do que o imponderável para servir de base á compreensão do inconsciente humano, com sua predominante característica de imprevisibilidade.
                        O método analítico foi substituído pelo método sintético, baseado na visão holística do ser humano, como um ser não sujeito a leis deterministas; capaz de ser misterioso e viver experiências que se apresentam de forma simultânea num tempo-espaço quadridimencional curvo; situado num campo eletromagnético que interliga sujeito e objeto, produzindo fenômenos que constituem um todo muito maior do que suas partes e que nos permitem apenas compreendê-los, muitas vezes tornando-se impossível traduzi-los na forma limitada de linguagem, e explicá-los. Como a linguagem representa apenas 7% da comunicação (Bandler e Grinder, 1975), entramos num campo de sinergia com os fenômenos observados, através de outros níveis de capacidade perceptual.
                        O novo pensamento emergente no campo da Física mudou totalmente nossa visão de mundo. Segundo Fritjof Capra[5], um dos maiores físicos da atualidade, deixamos de pensar o homem como o dono e senhor de um reservatório inesgotável de bens planetários, criados para uso ao seu bel-prazer. Para Capra, de acordo com sua Teoria Sistêmica, a célula, um sistema completo em si mesmo, integra um tecido, que compõe um órgão, que pertence a um indivíduo, que vive numa família, dentro de uma sociedade, num país, num continente, no planeta Terra... Agora somos um sistema em interdependência com outros sistemas, dentro e fora de nós mesmos. A preservação de nossas vidas depende tanto da manutenção da saúde de nossas células, como da saúde da natureza à nossa volta. Hoje sabemos que, se não cuidarmos adequadamente dos vários sistemas aos quais estamos interligados, nossa sobrevivência corre sérios riscos.
           Este novo modelo científico refletiu-se sobre alguns profissionais da área de comportamento humano permitindo-lhes melhor compreenderem os fenômenos psíquicos, com os quais freqüentemente se deparavam em seus trabalhos de consultório. Longe de ter um mentor ou um teórico único que lançasse sua nova teoria, a Visão Holística em Psicoterapia, fiel à sua característica de sincronicidade[6] surgiu em várias partes do mundo, quando psicoterapeutas e demais estudiosos do psiquismo humano sentiram a necessidade de dar um basta à fragmentada e especializada visão do homem, promovendo uma síntese entre algumas das abordagens já existentes e buscando compreender o Ser Humano como um Ser Total, cujo corpo é um sistema completo em si mesmo, por sua vez, interligado e interdependente de seus níveis emocional, mental e espiritual. Percebeu-se, dentro dessa visão, que a célula tem o mesmo comportamento do indivíduo ao qual pertence; que indivíduos alegres têm células “alegres”, saudáveis e um sistema imunológico forte e resistente, assim como indivíduos depressivos apresentam-se mais sujeitos às doenças em geral.
                        A compreensão desse Homem Total levou-nos, estudiosos e técnicos do comportamento, à busca de instrumentos ou procedimentos terapêuticos que facilitassem o processo de integração desse indivíduo em seus vários níveis de funcionamento.
            Vivenciando este processo transformador em nossa realidade profissional, dedicamo-nos a estudos exaustivos em busca de novos recursos que nos habilitassem, tecnicamente, a lidar com este ser humano maravilhoso e complexo, que expressava potenciais para os quais ainda não possuíamos um referencial teórico. Necessitávamos de novos recursos, dentro de uma amplitude conceitual que abrangesse esses outros níveis de expressão psíquica. Era necessário que os procedimentos utilizados tivessem pontos em comum e um mesmo apoio filosófico e teórico. Havia também a exigência de que fosse um procedimento mais dinâmico, breve em termos de tempo, de efetividade de resultados, sem que fosse superficial. Além disso, no dia-a-dia do consultório, os fenômenos característicos de estados superiores de consciência sucediam-se, desafiando a nossa compreensão e cobrando-nos explicações teóricas para o ocorrido. Afinal, não é esta a função da ciência?

                        Durante 32 anos vivenciamos esta intensa busca, recorrendo aos estudos dos grandes pensadores, dentro e fora do campo da Psicologia: Conhecemos a Programação Neurolingüística[7] de Richard Bandler e John Grinder, aprofundamo-nos nos estudos da Bioenergética[8] de Alexander Lowen, dos trabalhos de John Pierrakos[9] e Bárbara Brenan[10]; apoiamo-nos em conceitos de Gestalt-Terapia[11] desenvolvidos por Frederic Perls e Laura Perls; buscamos a expansão no campo da Psicologia Transpessoal[12], especificamente no que se refere aos estados superiores de consciência, na visão de Stanislav Grof[13], Pierre Weil[14] e Jean-Yves Leloup[15], os dois últimos, introdutores da Visão Holística no Brasil. Adotamos os novos conceitos da Física Quântica, desenvolvidos por Niels Born[16], Rupert Sheldrake[17], Werner Heisenberg Fritjof Capra. Para nossa grande surpresa, estes novos conhecimentos conduziram-nos de volta à Filosofia de Heráclito, Sócrates e Platão e à Metafísica dos textos das Tradições Sapientais da Humanidade, fechando uma importante gestalt: Realizamos um movimento de síntese entre estes conhecimentos, aplicando a ATH – Abordagem Transdisciplinar Holística à Psicoterapia, a partir da utilização desses procedimentos já reconhecidos pela Psicologia, dentro do enfoque muito mais amplo e esclarecedor da Visão Holística do ser humano, proposta por Weil.
                        Para auxiliar o cliente no processo de auto-descobrimento e harmonização de sua totalidade corpo-mente-espírito, dispomos de um conjunto de técnicas oriundas dessas teorias psicológicas que, por suas origens e história, têm pontos de interligação, acrescidos de conhecimentos complementares, cuja síntese integra esta nova teoria psicológica. São elas: A Bioenergética, a Gestalt-Terapia, A Programação Neurolingüística, a Psicologia Transpessoal, a Física Quântica e as Tradições Sapientais da Humanidade, a partir do que temos um novo enquadre mais abrangente e capaz de nos apoiar na atuação terapêutica frente aos mais diversos fenômenos do psiquismo humano.
Hoje, depois de décadas de abertura conceitual, vemos o Ser Humano como um ser total e dinâmico, em permanente processo de aperfeiçoamento, nos seus diferentes níveis de funcionamento: Físico, Sinestésico (nível de sensações), Emocional, Mental Inferior (pensamento objetivo), Mental superior (nível de ideais), Intuitivo e Espiritual.
Em relação ao nível físico, podemos trabalhar na elaboração dos conteúdos emocionais de várias doenças e sintomas, com excelentes resultados, neste campo da psicossomática.
 No nível sinestésico, podemos compreender uma série de percepções de sensações internas, não explicáveis sem a noção de corpo energético, como nos casos de amputações, e transplantes de órgãos.               
                         No nível emocional, utilizando um enquadre holístico e trabalhando com estados mentais de regressão, progressão, dissociação e associação, podemos facilitar o esvaziamento emocional e a re-atualização do inconsciente no tempo, auxiliando grandemente o cliente em questões que antes demandavam um longo tempo de atuação terapêutica, como nos casos de síndromes de pânico, depressões, comportamentos obsessivos-compulsivos transtornos bi-polares etc.
                        No nível mental objetivo, o cliente pode contar com procedimentos terapêuticos que o auxiliam a reorganizar-se no seu dia-a-dia de relação com a vida na terceira dimensão.
                        No nível mental superior, o cliente encontra dentro de si mesmo a melhor expressão para os seus ideais e objetivos de vida.
                        No nível intuitivo, o cliente aprende a utilizar este poderoso instrumento de insights e de soluções de problemas que é a sua intuição, canal de comunicação ao mesmo tempo, com o seu nível mais essencial, com o seu Eu Superior ou Individualidade. O cliente aprende também a respeitar-se em termos de potencial e características, orientando-se na vida segundo suas tendências naturais e segundo as probabilidades instaladas em sua programação inconsciente de vida, num permanente processo de aperfeiçoamento e evolução.
                        Através desta nova abordagem, o cliente aprende a aprofundar sua respiração, utilizando-a como instrumento de harmonização do seu organismo. Ganha flexibilidade corporal, espontaneidade, desperta sua criatividade e expressa sua sexualidade de forma natural e equilibrada, desenvolvendo autoconfiança, a partir da melhor integração de suas partes psíquicas inconscientes. Alcança a ampliação de potenciais internos, descobrindo que, na realidade, enquanto Ser, é muito maior do que poderia imaginar. Transcendendo o nível de consciência, mergulha em sua própria Essência, descobrindo um imenso manancial de recursos, num campo quadridimencional, onde todas as mentes se comunicam e se interinfluenciam e onde transformações fantásticas tornam-se possíveis, através da mudança de programas deste maravilhoso biocomputador que é a mente humana.
                        À medida que cada pessoa se aprofunda em seu próprio inconsciente, neste processo de auto-descobrimento, sua consciência se amplia, levando-a a uma nova percepção de mundo; a uma relativização de conceitos muitas vezes radicais e absolutos, que atuavam como fatores Auto-Limitantes de seu crescimento pessoal.
                        Esta visão relativa de mundo torna o indivíduo mais tolerante e compreensivo em relação a si e aos outros, facilitando os inter-relacionamentos pessoais e a emergência dos recursos necessários para que ele alcance metas pessoais de vida. Crescendo enquanto SER, ele contribui para o crescimento da sociedade como um todo e torna possível a realização do ideal de uma verdadeira civilização, onde o psicólogo estará inserido como um agente de transformações, no eterno processo de auto-construção,  que caracteriza o Ser Humano.  

Trabalho Apresentado em palestra realizada no CRP/RJ, em 26/06/00 e na I MOSTRA NACIONAL DE PRÁTICAS EM PSICOLOGIA, promovida pelo CFP, no período de 05 a 07/10/00.

Se você é Psicólogo (a) e se interessa pelo tema, venha participar dos nossos Diálogos com os Conselhos de Psicologia, onde compartilho a correspondência mantida com o CRP/05, ao longo do tempo.

(*) Sueli Meirelles Direitos Reservados.

Professora, Pesquisadora e Psicóloga CRP 05/11601-  UGF/ 1986)
Especialista em Psicologia Clínica (Bioenergeticista, Gestalt-Terapeuta e Hipnoterapeuta ( Rarishis – Centro Psicológico/RJ - 1988), com mais de 3.000 atendimentos clínicos realizados em 32 anos de atuação profissional.
Terapeuta de Regressão (Instituto de Psicobiofísica de Uberaba – 1989)
MBA em Gestão de Projetos na Abordagm Transdisciplinar Holística (UNIPAZ-Universidade Internacional da Paz. (2005)
Fundadora e Coordenadora do Instituto Vir a Ser (Cursos, Palestras, Workshops e Seminários - 2005) e do Carrossel de Luz (Grupo de Pesquisas Noéticas – 2001)
 ( Fenômenos Psicossomáticos e Psicoespirituais)
Coordenadora do CIT/NOVA FRIBURGO (Colégio Internacional de Terapeutas
Membro da ALUBRAT – Associação Luso Brasileira de Psicologia Transpessoal
Autora do livro de livros e mais de 300 artigos publicados em jornais e Web.
Consultora em Desenvolvimento Humano, Saúde Integral, Ecologia Integral e Educação para a Paz e Implementação de Projetos Sociais.
Escritora e Palestrante em Congressos Nacionais Internacionais.

Link para o Curso de Técnicas de Reprogramação Mental: https://sueli-meirelles.blogspot.com/2019/03/curso-de-tecnicas-de-reprogramacao.html

Link para o livro Linguística para Mediação de Conflitos: http://sueli-meirelles.blogspot.com/2017/06/linguistica-para-mediacao-de-conflitos.html

Link para o livro Do Divã à Espiritualidade: http://sueli-meirelles.blogspot.com/2017/09/do-diva-espiritualidade-livro-sobre.html

Whatsapp.: 55 22 999.557.166








1.        [1]“Até bem pouco tempo, era ponto pacífico e bastante tranqüilizante o ponto de vista, segundo o qual a pesquisa científica devia se fundamentar no controle dos nossos cinco sentidos e no raciocínio lógico indutivo ou dedutivo.” WEIL, Pierre. A Mudança de Sentido e o Sentido da Mudança. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 2000. Pág.18)

2.        Segundo o Paradigma Newtoniano-Cartesiano “um  observador, emocionalmente neutro e impessoal,podia assim descobrir fatos e leis; que podiam ser redescobertos por outros pesquisadores, permitindo uma validação consensual considerada indispensável; a possibilidade dessa validação por outros pesquisadores era e é ainda baseada nas bem conhecidas leis da causalidade e do determinismo: nas mesmas condições experimentais, as mesmas causas produzem o mesmo efeito, e todo fenômeno tem uma causa, da qual ele constitui um efeito.” WEIL, Pierre. A Mudança de Sentido e o Sentido da Mudança. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 2000. Pág.18)

[2] O novo paradigma holístico foi definido pela Universidade Holística Internacional, em Paris, da seguinte forma: “Este paradigma considera cada elemento de um campo como um evento que reflete e contém todas as dimensões do campo (cf. a metáfora do Holograma.). É uma visão, na qual “o todo” e cada uma das suas sinergias estão estreitamente ligados, em interações constantes e pardoxais.”  ( WEIL, Pierre. A Mudança de Sentido e o Sentido da Mudança. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 2000. Pág.33)

[3] Em 1926, foi editado em Londres um livro escrito por um general sul-africano, um dos primeiros partidários do movimento anti-apartheid, o filósofo Ian Christian Smuts, sob o título> Holism and evolution. (...) O assunto central do livro consiste numa tentativa de definição da natureza da evolução, das suas fases principais e de um fator ou princípio subjacente a esta evolução e a todo o universo. Este fator, doravante chamado holismo se encontra subjacente a uma tendência sintética no universo e constitui o princípio responsável pela origem e pelo progresso de conjuntos no universo. Há uma tentativa para mostrar que esta realização de conjuntos, ou tendência holística, é fundamental na natureza, que ela possui um caráter bastante acentuado e verificável(...)”(BRANDÃO, Denis M.S.; CREMA, Roberto. O Novo Paradigma Holístico: ciência, filosofia, arte e mística.. São Paulo: Summus, 1991. pág.20)

[4] Pioneiro da Física Clássica e da Mecânica que, associado ao pensamento filosófico de Renee Descartes, forneceu os fundamentos para o desenvolvimento do Paradigma Newtoniano-Cartesiano que orientou o pensamento científico nos últimos trezentos anos. Bárbara Brennan assim se refere à Mecânica Clássica: “A mecânica newtoniana descreveu com êxito os movimentos dos planetas, das máquinas mecânicas e dos fluídos em movimento contínuo. O enorme sucesso do modelo mecanístico levou os físicos do início do século XIX a acreditarem que o universo, com efeito, era um imenso sistema mecânico que funcionava de acordo com as leis do movimento de Newton, encaradas como as leis básicas da natureza, e considerava-se a mecânica newtoniana a teoria definitiva dos fenômenos naturais.” .” (BRENNAN, Bárbara. Mãos de Luz: Um Guia para a Cura através do Campo de Energia Humana. São Paulo: Pensamento, 1987. Pág.43).

[5] Fritjof Capra recebeu seu Doutorado da Universidade de Viena e tem realizado pesquisas sobre física de alta energia em várias universidades americanas e européias. Além de seus vários artigos sobre pesquisa técnica, tem escrito e lecionado extensivamente sobre as implicações filosóficas da ciência moderna. É o autor de O Tao da Física e de O Ponto de Mutação e fundador do Instituto Elmwwod, uma organização internacional dedicada a ensinamentos sobre novas visões ecológicas e sua aplicação nos problemas sociais, econômicos e ambientais da atualidade. (CAPRA, Fritjof. Sabedoria Incomum: Um livro excepcional, com idéias contemporâneas sobre ciência, metafísica, religião, filosofia e saúde. São Paulo: Cultrix, 1988. 4ª contra-capa).

[6] “O termo sincronicidade pode ser definido como uma correspondência, significativa para quem lhe está sujeito, entre uma seqüência de eventos sem relação causal conhecida entre eles. Em geral, tais eventos apresentam um sentido interior e psicológico e outro exterior e físico, mas há também casos de coincidências entre fenômenos apenas exteriores, cujo vínculo psicológico é apenas o seu significado.” (WEIL, Pierre. Os Mutantes: Uma nova humanidade para um novo milênio. Campinas; Verus, 2003. pág.27)

[7] Teoria da comunicação desenvolvida por Richard Bandler (psicólogo e matemático) e John Grinder (lingüísta e técnico em computadores), sobre os trabalhos de eminentes Gestalt-Terapeutas, como Milton Erickson, Virgínia Satir e Frederic Perls, através da qual, a partir da observação das estruturas superficiais de linguagem construídas pelos nativos de uma língua, se identifica a estrutura profunda das frases construídas, que são a descrição mais aproximada possível da experiência vivenciada. (MEIRELLES, Sueli. Apostila de Reprogramação Neurolingüística. Rio de Janeiro: Instituto Vir a Ser, Edição de 2006.

[8] Método terapêutico desenvolvido por Alexander Lowen, sob influência da Teoria Reichiana e da Medicina Oriental, segundo o qual o corpo é mapeado em sete segmentos, correspondentes aos chacras, que permitem a identificação de bloqueios do fluxo de energia vital, e as couraças musculares que decorrem desse processo, constituindo tipos de personalidades. Lowen afirma: “O objetivo da Bioenergética é ajudar o indivíduo a retomar sua natureza primária que se constitui na sua condição de ser livre, seu estado de ser gracioso e sua qualidade de ser belo. A liberdade, a graça e a beleza são atributos naturais a qualquer organismo animal. A liberdade é a ausência de qualquer restrição ao fluxo de sentimentos e sensações, a graça é a expressão desse fluir em movimentos, enquanto a beleza é a manifestação da harmonia interna que tal fluir provoca. Esses fatores denotam um corpo saudável e, portanto, uma mente saudável.”. (LOWEN, Alexander Bioenergética. São Paulo: Summus Editorial, 1975. pág.38)

[9] O Dr. John Pierrakos criou um sistema de diagnóstico e tratamento de distúrbios psicológicos baseado em observações visuais do campo da energia humana e de observações derivadas do pêndulo. A informação tirada de suas observações dos corpos de energia combina-se com métodos psicoterapêuticos do corpo desenvolvidos em Bioenergética e com um trabalho conceptual levado a efeito por Eva Pierrakos. Denominado Energética do Núcleo, esse é um processo unificado de cura interior, que concentra o trabalho através das defesas do ego e da personalidade para desobstruir as energias do corpo. A energética do Núcleo procura equilibrar todos os corpos (físico, etérico, emocional, mental e espiritual) para lograr uma cura harmoniosa da pessoa inteira.” (BRENNA, Bárbara A. (Mãos de Luz: Um Guia para  a Cura através do Campo de Energia Humana. São Paulo: Pensamento, 1987. Pág.57)

[10] “Curadora praticante, psicoterapeuta e cientista, foi pesquisadora da NASA depois de completar seu mestrado em Física Atmosférica na universidade de Wisconsin. Nos últimos quinze anos vem estudando o campo da energia humana, envolvendo-se em projetos de pesquisa sobre o assunto. Estudou terapia bioenergética no Institute for Psychological Synthesis, na Community of the Whole Person, e aprofundou-se em energética do núcleo no Institute for the New Age. A autora tem organizado seminários sobre esses assuntos no Canadá, na Europa e nos estados Unidos, onde dirige uma clínica particular na cidade de Nova York. (BRENNA, Bárbara. Mãos de Luz: Um Guia para a Cura através do Campo de Energia Humana. São Paulo> Pensamento, 1987. (1ª orelha).

[11] Teoria psicológica desenvolvida por Frederich Perls, na década de cinqüenta, que tem como pressuposto básico o conceito; O todo é mais do que a soma de suas partes constituintes. Segundo Piere Weil:“Uma das primeiras teorias holísticas em Psicologia, que recomenda que se perceba o homem, assim como todos os fenômenos do mundo, como um conjunto indissociável”(WEIL, Pierre. Nova Linguagem Holística. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1987. Pág. 71)

[12] A Psicologia Transpessoal se preocupa em estender o campo da investigação psicológica, a fim de incluir o estudo do estado ótimo de saúde psíquica e do bem-estar. Reconhece a potencialidade de fazer a experiência de um grande leque de estados de consciência, alguns dos quais podendo conduzir a uma extensão da identidade para além dos limites habituais do ego e da personalidade.” (Walsh e Vaughan, 1984, p.21 – In: WEIL, Pierre. Nova Linguagem Holística. Rio de Janeiro. Espaço e Tempo, 1987. pág.151)

[13] Psiquiatra e Psicanalista criador da Terapia Holotrópica, “um método de hiperventilação, inspirado por Leonardo Orr, acompanhado de música adequada e de desenhos de mandalas. Criador do conceito de “Emergência Espiritual” para as crises existenciais muitas vezes confundidas com estados patológicos.” (WEIL, Pierre. Os Mutantes; Uma nova humanidade para um novo milênio. Campinas: Verus, 2003. Pág.140).

[14] Doutor em Psicologia pela Universidade de Paris; cidadão honorário da cidade de Brasília; presidente da Fundação Cidade da Paz e Reitor da Universidade Holística Internacional de Brasília, Unipaz, onde trabalha pela paz no mundo; c-fundador da Associação Internacinal de Psicoogia Transpessoal, da Associação Brasileira de Psicologia Aplicada, da Sociedade Brasileira de Psicoterapia, Dinâmica de Grupo e Psicodrama e da Organização das Entidades Não Governamentais Brasleiras junto à organização das Nações Unidas (ONU); autor de mais de cinqüenta livros e de uma centena de artigos em várias línguas. Em 2002, recebeu o Prêmio Unesco de Educação para a Paz e o Prêmio Verde das Américas. (WEIL, Pierre. Os Mutantes: Uma nova humanidade para um novo milênio. Campinas: Verus, 2003. 2ª orelha).

[15] Teólogo Ortodoxo. Doutor em Psicologia Transpessoal, um dos fundadores da Universidade Holística Internacional, junto com Pierre Weil e Monique Thoenig. Autor de vários livros sobre Psicologia e Textos Sagrados (Cuidar do Ser, Enraizamento e Abertura, O Evangelho de Thomé, O Evangelho de Maria Míriam de Mágdala), Conferencista Internacional.Mentor e fudandor do CIT-Colégio Internacional de Terapeutas.

[16] No período de 1913-1914 Bohr concluiu seu Doutorado em Física na Universidade de Copenhaguem e em 1914-1916 estudos semelhantes na Universidade Victoria, em Manchester. In 1916 he was appointed Professor of Theoretical Physics at Copenhagen University, and since 1920 (until his death in 1962) he was at the head of the Institute for Theoretical Physics, established for him at that university. Em 1916 foi nomeado professor de Física Teórica na Universidade de Copenhaguem, e desde 1920 (até sua morte em 1962) ele esteve à frente do Instituto de Física Teórica, criado para ele naquela universidade. Recognition of his work on the structure of atoms came with the award of the Nobel Prize foReconhecimento de seu trabalho sobre a estrutura do átomo veio com a atribuição do Prémio Nobel de 1922. (Fonte: www.nobelprize.org

[17] biólogo inglês, é conhecido por sua teoria da morfogênese. Pesquisador em bioquímica e fisiologia vegetal, descobriu junto com Philip Rubery, o mecanismo de transporte da auxina. Participou, na Índia, do desenvolvimento de técnicas de cultivo no semi-árido hoje usadas amplamente. De volta à Grã-Bretanha, tem-se dedicado a escrever, dar palestras e pesquisar um modelo de desenvolvimento teleológico, do qual faz parte a teoria dos campos morfogenéticos. Entre seus livros estão O renascimento da natureza, Cães sabem quando seus donos estão chegando e A sensação de estar sendo observado.

PSEUDO PSICOSE INFANTIL - A Influência dos jogos virtuais na formação da personalidade da criança

 
Você já ouviu falar em pseudo-psicose infantil? É um sintoma de inadaptação e transtorno de ansiedade ( no mundo virtual tudo é imediato; a criança não aprende a esperar), por excesso de exposição ao mundo virtual. Esse excesso de exposição prejudica o desenvolvimento de estratégias para que a criança possa compreender o mundo real e interagir com ele. Atenção pais: O mundo virtual não substitui a convivência familiar!

Site: www.suelimeirelles.psc.com.br

Agendamento de consultas: Whatsapp: (22) 999.557.166

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

CALAMIDADE PÚBLICA - Política

         Sempre que me disponho a escrever, gosto de pesquisar o significado das palavras, porque, segundo a Psiconeurolingüística, a linguagem determina a visão de mundo e quando uma palavra tem o seu significado distorcido, isto tem como conseqüência a distorção das ações humanas. Assim sendo, para escrever sobre Calamidade Pública, mais uma vez recorri ao dicionário. Vejam o que encontrei: Significado de Calamidade: Desgraça pública, catástrofe, desastre: A fome, a guerra são calamidades. Infortúnio que atinge uma pessoa ou um grupo de pessoas. Sinônimos de Calamidade: adversidade, catástrofe, desgraça, fatalidade, flagelo, infortúnio, revés, tragédia. 

            Seguindo em minhas pesquisas, no noticiário do dia 17/06/16, encontrei a seguinte informação: A crise que atinge o Rio de Janeiro levou o governador em exercício, Francisco Dornelles, a decretar estado de calamidade pública nesta sexta-feira (17), a 49 dias do início das Olimpíadas. Essa é a primeira vez na história (nosso griffo) que o estado toma medida semelhante na área financeira. Em entrevista, Dornelles afirmou que o objetivo do decreto é "apresentar à sociedade do Rio de Janeiro as dificuldades financeiras do estado. Segundo o decreto, publicado em edição extraordinária do Diário Oficial do estado, o motivo é a "grave crise financeira", que impede o cumprimento das obrigações assumidas em decorrência da realização da Olimpíada e da Para-olimpíada. De acordo com o texto, o governo teme um "total colapso na segurança pública, na saúde, na educação, na mobilidade e na gestão ambiental". ( nosso griffo) (Fonte: http://g1.globo.com
)                         Diante do exposto, venho tecer aqui, algumas considerações: Em meus 60 anos de vida, depois de alfabetizada, sempre encontrei o termo “calamidade pública” associado a catástrofes naturais, geralmente climáticas, e até que se prove o contrário, independentes da vontade humana. Considerando-se a gestão financeira como um ato decisório de responsabilidade, como poderemos afirmar, em sã consciência, que a má administração dos recursos financeiros do estado, sobejamente esbanjados em obras faraônicas e superfaturadas, poderá ser considerada “calamidade pública”? Não estará o termo mal empregado, quando aplicado à situação que hoje vivenciamos no Estado do Rio de Janeiro e no Brasil em geral? Não será essa uma tragédia anunciada pelos desmandos da corrupção que assola o nosso país? Não será a designação de “calamidade pública”, neste caso, um escapismo para a incompetência governamental, abrindo precedentes para novos desatinos políticos, neste período de desconstrução civilizatória, onde a ausência de cenários à frente coloca a todos nós, como povo, à deriva no mar da própria sorte? Ou pior ainda: Como fiadores da dívida pública que deverá ser descontada, de imediato, em percentuais salariais dos que, de alguma forma, estão vinculados ao estado?
                Neste ponto, retorno ao dicionário online, para pesquisar o significado do termo salário: Remuneração recebida por serviço(s) prestado(s); remuneração que corresponde ao que foi estabelecido como pagamento no contrato de trabalho; ordenado. (nosso griffo).
                Queridos leitores, pasmem diante disso: Como aceitar que o governo, enquanto empregador ou gestor de pensões e aposentadorias,  determine a apropriação indébita dos recursos alheios? Aturdida com o ocorrido, voltei ao dicionário online: Significado de Roubo: Ato ou efeito de roubar. Delito cometido por quem se apossa indevidamente de coisa móvel pertencente a outrem. (nosso griffo).
Como os leitores podem ver, tenho muito mais perguntas do que respostas, deixando aqui, apenas as reflexões que me ocorrem como cidadã brasileira, traduzidas nesta última indagação: Quais os caminhos para evitarmos este triste destino?...
                Como psicóloga e agente de transformações sociais, observo os cenários que se apresentam diante do meu olhar clínico, com extrema preocupação. Oprimir o povo corresponde à instalar de uma bomba relógio, cuja explosão depende do seu limite de suporte emocional. Vale lembrarmos os ensinamentos da história: QUEDA DA BASTILHA: A invasão da fortaleza pelo povo de Paris, em 14 de julho de 1789 é a data referencial para marcar as comemorações da Revolução Francesa. Apesar de ser uma prisão, na data em que foi invadida, esta contava apenas com sete presos. A tomada da fortaleza tinha o aspecto prático de resgatar as armas que havia em seu interior, e também o aspecto simbólico de ocupar um dos expoentes máximos do absolutismo. Outro aspecto marcante do acontecimento foi o de demonstrar que o movimento em curso, para buscar a extinção do regime absolutista, contava, a partir de agora, com a população em geral e não mais de um grupo de deputados que pretendiam modificar o regime através de leis. (nosso último griffo) (Fonte: http://www.infoescola.com
SUELI MEIRELLES: Psicóloga Clínica do CIT – Colégio Internacional de Terapeutas e Coordenadora do CIT/BRASIL
Hipnoterapeuta e Terapeuta de Regressão, há 30 anos cuidando do Ser Humano Integral. Professora e Pesquisadora.
Criadora do Método Meirelles de Reprogramação Mental
 Fundadora e Coordenadora do Instituto Vir a Ser e do CARROSSEL DE LUZ – Grupo de Pesquisas Noéticas.
Membro do CIT/ALUBRAT/UNIPAZ/
Consultora em Desenvolvimento Humano, Saúde Integral, Ecologia Integral e Educação para a Paz.


Publicado também no Jornal Século XXI, de Nova Friburgo.