Tradução

segunda-feira, 20 de julho de 2020

NO MUNDO DO NÃO FAZ NADA - Um Conto sobre o potencial dos Adolescentes



Naquele dia, Rafa estava muito irritado. Seus pais só ficavam lhe cobrando uma porção de compromissos entediantes. Que Saco! Dizia ele. Todo dia era a mesma coisa. Não agüentava mais. A noite, Rafa estava exausto, com tantas pressões. Depois de muitas horas gastas nos jogos online, dos quais tanto gostava e o tirava do tédio diário, já alta madrugada, ele foi dormir, sonhando com “O mundo do não faz nada”. Ahh! Como seria bom, ter tempo livre para fazer somente o que gostava. Porque o mundo era tão chato? Seus amigos eram da mesma opinião. Os adultos complicavam a vida, criando regras inúteis, tarefas mil e compromissos desnecessários. Por isso eram tão aborrecidos, quase sempre discutindo uns com os outros. E ainda nos chamam de “aborrecentes”. “Aborrecentes” são eles! O mundo poderia ser tão simples! Pensava Rafa, no auge do seu mau humor. Ansiando por uma saída para o problema, Rafa desligou seu notebook e após alguma dificuldade em conciliar o sono, pelo excesso de estímulos luminoso, mergulhou num sono profundo e conturbado e na surpreendente experiência de atravessar o portal do “Mundo do não faz nada.” Uma sensação de profundo alívio, tomou conta de todo o ser. Para dizer a verdade, de cada célula do seu corpo, trazendo-lhe uma deliciosa sensação de liberdade, há muito não sentida.   Enfim estou livre de toda aquela chateação, pensou alegremente, surpreso com a liberdade recém-conquistada. Neste novo mundo, seus pais estavam misteriosamente ausentes, e ele viu-se confortavelmente deitado em sua cama, tendo nas mãos o controle remoto da TV do seu quarto e, mais adiante, o notebook que deveria ser utilizado para as aulas online, durante a quarentena do Corona Vírus. Olhou o celular, para ver as horas, mas este não acendeu. Estava desligado. Levantou-se, ainda com preguiça, em busca do carregador e conectou na tomada, junto à cama, mas o celular nem deu sinal de vida. Achou estranho, mas como também ainda estava meio “desligado”, pegou o controle remoto e ligou a televisão, mas ela também não acendeu. Estranho! Pensou ele. Acho que estamos sem luz! Ainda sonolento, levantou-se e clicou no interruptor, mas a luz do teto também não acendeu. Ehh! Estamos sem luz, constatou ele.
 Enquanto aguardava que a luz retornasse, foi até o banheiro para fazer a higiene pessoal que seus pais tanto lhe cobravam. Olhou-se no espelho e viu suas grandes olheiras, testemunhas das noites mal dormidas e o cabelo despenteado. Ainda disposto a rebelar-se contra todas as regras que lhe eram impostas, já que seus pais estavam ausentes, decidiu que não iria pentear os cabelos. Foi até a cozinha para comer algo, mais pela cobrança paterna do que pelo apetite. Costumava comer sanduiches à noite e ao acordar, não sentia fome. Decidiu que também não iria comer nada. Afinal, estava livre de todas estas regras bobas. Olhou pela janela e viu que o dia estava bonito. Decidiu pegar a sua bicicleta e dar uma volta. Talvez encontrasse algum amigo. Assim pensando, foi até a garagem, onde sua bicicleta ficava encostada na parede ao fundo. Lembrou-se que havia muito tempo que não pedalava. Não sentia disposição para exercícios físicos, até mesmo porque, na maioria das vezes, dormia até a hora do almoço. Quando chegou perto de sua bike, percebeu que uma aranha havia feito ali a sua teia. Pegou um pano meio sujo, que havia ele mesmo havia jogado no chão, tempos atrás e removeu a teia de aranha, jogando o pano no chão, novamente. Esperava que sua mãe ou a faxineira acabasse recolhendo. Realmente estava precisando liberar o seu mau humor. Porém, ao olhar para o pneu dianteiro, viu que estava vazio. Droga! Lamentou-se. Teria que ir primeiramente ao borracheiro, para enchê-lo. Ainda bem que havia um bem na esquina da sua rua. Decidiu ir empurrando sua bike até lá, porém, para sua surpresa, a loja estava fechada. Tentou lembrar-se do dia da semana! Sem! Era um dia de segunda-feira. Teria havido algum problema? Ainda cheio de interrogações, viu um colega sentado na praça em frente e, encostando a bicicleta na porta fechada da loja, caminhou até lá:
 _Ei!, Cara, tudo bem? Perguntou para puxar assunto.
_Bem nada, cara! Não sei o que está acontecendo. Está tudo fechado, sem luz, sem TV, sem celular, sem notebook e também não vejo meus pais para pedir ajuda.
_EH! Respondeu Rafa, muito desanimado. Vi um portal dizendo que aqui é o “Mundo do não faz nada”!
Sentindo-se muito desanimado, Rafa deixou-se cair no banco, ao lado do colega. Sentia tédio total.
_Você quer ir lá para casa, me fazer companhia? Perguntou!
_Sim, respondeu Beto, pensando que seria melhor do que ficar ali, sentado na praça deserta. Pelo menos, poderiam conversar ou jogar algum jogo, mas lembrou-se também que, havia muito tempo, tinha-se desfeito dos jogos interativos não eletrônicos, porque eram coisas do passado. Levantou-se e seguiu Rafa até sua casa. Quando lá chegaram, Rafa lembrou-se que não tinha a chave para entrar, o porteiro eletrônico não funcionava e o zelador do prédio não viera trabalhar. Estavam literalmente na rua... O que fazer? Rafa e Beto começaram a sentir-se muito desconfortáveis, como se uma espécie de estado de alerta começasse a se instalar em suas mentes, corações... Fazendo com que os batimentos cardíacos se acelerassem. E se viesse a passar mal? Onde seria socorrido? Será que os serviços essenciais estavam funcionando? Pela quantidade de lixo antigo nos cantos das calçadas, percebeu que não. Somente os vermes caminhavam ativos pelo lixo apodrecido, em busca de alimento.
_Será que os bichos não faziam parte do “Mundo do não faz nada”, indagou a si mesmo. Mas não tinha tempo para reflexões. Seu estômago dava sinais de fome, pela proximidade da hora do almoço. Mas almoçar, onde? O que? Como? Seu desespero aumentou e Rafa perguntou ao amigo de infortúnio, qual seria a solução. Beto apontou para um terreno baldio, em frente a praça, onde havia crescido uma frondosa mangueira, dentro da perfeita Lei da Natureza e ofertava seus saborosos frutos a quem gostasse de mangas e também a quem não gostasse de mangas... Apenas cumprindo seu propósito de vida. Num de seus galhos, um João de Barros, preparava o ninho para a sua companheira e logo que estivesse pronto, nele colocaria seus ovinhos para uma nova ninhada. Rafa pensou que realmente os bichos não faziam parte do “Mundo do não faz nada”. Os dois rapazes caminharam até lá, pegando, no chão, as mangas já amadurecidas e dedicando-se ao “trabalho” descascá-las. Dois frutos para cada um foram suficientes para aplacar, temporariamente, a fome dos rapazes.
Quando voltaram ao banco da praça, mais jovens se reuniam ali. Falavam todos ao mesmo tempo, querendo ser ouvidos e atendidos em seus questionamentos sobre o que estava acontecendo, cada vez mais preocupados com a possibilidade de passarem a noite ao relento. Haviam saído pela manhã, sem agasalhos, não tinham cobertores e nenhum deles se preocupara em pegar as chaves de casa, ao sair, conforme seus pais sempre recomendavam. Não tinham outra opção a não ser se agruparem no quiosque central, para atravessarem uma longa noite insone, tensa e desconfortável, totalmente diferente de suas confortáveis camas, com travesseiros fofos e cobertas aconchegantes.
Ao chegarem ao quiosque, uma nova surpresa os aguardava. Por incrível que parece, ali estavam mendigos de diferentes idades, que haviam catado alguns restos de alimentos nas lixeiras, e se enroscavam em seus velhos e sujos cobertores. Ao verem os jovens entrando, solidariamente abriram espaço para eles no grupo, e começaram a conversar. Apesar do cheiro bem desagradável, aqueles homens traziam dentro de si mesmos, muitas experiências de vida e muitos arrependimentos. Alguns contaram suas tristes histórias e falaram ausência de estrutura familiar e falta de oportunidades; outros falaram sobre as muitas oportunidades de estudo e trabalho que haviam deixado passar, por quererem permanecer no “Mundo do não faz nada”. Agora, alguns afogavam suas mágoas no álcool e outros fugiam da triste realidade, através do uso de drogas. Os jovens ficaram muito impressionados com seus relatos...
Os últimos acontecimentos haviam deixado os jovens muito emocionalmente muito abalados. Ahhh! Que saudade de casa!... Pensou Rafa, começando um choro entrecortado de lamúrias, no que foi seguido pelos outros. Que saudades da família! ...Quanto tempo iria durar aquele martírio? Perguntavam-se uns aos outros. Qual seria a forma de sair daquele pesadelo sem fim? Como um lampejo luminoso, este pensamento atravessou rapidamente o cérebro do jovem Rafa, lembrando-se de beliscar um dos colegas, para ver se este estava acordado. A estratégia funcionou. Para sua surpresa, o colega desapareceu da sua presença. Imediatamente beliscou outro e este também desapareceu e assim sucessivamente, até que Rafa resolveu beliscar-se com bastante força, para por fim ao seu tormento. Como num passe de mágica, viu-se deitado em sua confortável cama, bem no momento em que sua mãe entrava em seu quarto, chamando-o para o café da manhã. Havia sido realmente um pesadelo. O pior de sua vida. Imediatamente, Rafa levantou-se, deu um grande beijo no rosto surpreso de sua mãe, indo ao banheiro para a higiene matinal. Com imensa alegria abriu o chuveiro elétrico, que liberou de pronto a água morna. Ainda tinha lembrança do odor fétido dos corpos suados sem banho... Rafa não se recordava de ter tomado um banho tão gostoso, desde que entrara na adolescência. Sempre havia considerado que tomar banho era uma perda de tempo útil, que poderia ser dedicado ao laser. Mas agora, perguntava-se como seria se também a água não chegasse às adutoras e hidroelétricas e pensou como as pessoas que lá trabalhavam eram importantes. Gratidão a elas!... Terminado o banho, Rafa olhou-se no espelho, penteando seus cabelos com capricho e escovando os dentes. Afinal, tinha pente, espelho, escova, pasta, sabonete e uma toalha felpuda para se enxugar. Neste momento, sentiu-se muito grato aos pais, que lhe proporcionavam tudo isso, além dos altos custos com as mensalidades escolares e o material didático, tratamento ortodôntico... Poxa! Como tivera sorte de nascer num lar formado por pais conscientes. De imediato lembrou-se do João de Barros construindo o ninho para sua única companheira. Ehhh! Os animais estão mais conscientes das leis da vida do que os seres humanos. Olhando-se novamente no espelho, percebeu que ficara rubro de vergonha e descobriu que estava despertando sua consciência para o real sentido da vida. Estava pronto para amadurecer, desenvolver seus potenciais de realização e tornar-se útil à sociedade, como seus pais lhe ensinavam.
Alegremente caminhou até a cozinha, onde sua mãe já havia colocado o leite e o achocolatado de sua preferência. Vendo que faltavam ainda os talheres junto às xícaras, prontamente levantou-se para pegá-los na gaveta, enquanto seus pais se entreolhavam surpresos, sem compreenderem o motivo da súbita mudança de comportamento de filho. Quando sua mãe fez um breve agradecimento pelos alimentos, pedindo bênçãos para quem os plantou, quem os colheu e os preparou, Rafa ficou em silêncio, de olhos baixo e úmidos, pela primeira vez pensando que esse alimentos custavam o trabalho de muitos, até chegarem à mesa de sua casa. Terminado o saboroso café da manhã, Rafa olhou para o relógio da parede, e levantou-se rapidamente, dizendo que iria voltar para o seu quarto, para a aula online daquele dia. Rafa estava com quinze anos e cursava o último ano do ensino fundamental.
Abrindo o aplicativo da aula, Rafa pensou o quanto estes novos recursos estavam sendo úteis durante a quarentena. Se eles não existissem, estariam todos impossibilitados de aprender. Pensou também como utilizava pouco o mundo virtuaL, para aprender coisas úteis. Quanta perda de tempo!... Gostava de assistir aqueles vídeos em que os personagens disputavam força física e conquistavam territórios imaginários, às custas de procedimentos escusos... Novamente sentiu vergonha e seu rosto ficou corado. Seria a cor da Nova Consciência?...
 Terminada a aula, entrou em contato com seus amigos mais próximos pelo vídeo do seu celular. Outro aplicativo bem útil, em tempos de quarentena. Pelo menos podiam se ver e conversar. Queria contar a eles o estranho sonho da noite anterior. Qual não foi a sua surpresa quando seus colegas disseram que haviam tido o mesmo pesadelo. Seria isso possível? Pessoas se encontrando durante o sono, no mesmo lugar? Propôs aos colegas pesquisarem para saber. Encontraram um site que falava sobre “Sonhos Compartilhados”[1] e ficaram conversando sobre as conseqüências de tal experiência:
_Ehh! Cara! Foi um baita susto. Imagina se aquilo fosse real? Teríamos morrido em bem pouco tempo. E continuou: _Hoje, pela manhã, meu pai comentou com minha mãe que 522.000 empresas, no país, fecharam suas portas e isto gerou muito desemprego. Será que estamos caminhando para o “Mundo do não faz nada”? Como as pessoas vão viver sem trabalho? Como vão sustentar os seus filhos?
Rafa lembrou-se de uma frase lida no site Vivência em Cura, percebendo também a utilidade de buscar informações úteis à vida, na Internet:
“O sonho compartilhado também pode servir como uma metáfora da concepção de que todos nós humanos da Terra comungamos de um mesmo “sonho” para criar a realidade deste planeta.”
_Sim! Acho que precisamos começar a construir um mundo melhor; precisamos ajudar de alguma forma, disse Beto. Podemos recolher alimentos e entregar nas instituições. Vamos? Eu fiquei muito impressionado com a nossa experiência. Realmente, sem trabalho, a vida vira um pesadelo! Quando eu pensava em ficar a toa, não imaginava que o meu laser dependia do trabalho de muitas outras pessoas. Que burrice a minha! Estou sentindo vergonha do meu egoísmo.
_Eu também! Disse outro colega, também muito sem jeito. Podemos iniciar alguns movimentos de solidariedade na nossa turma, através do grêmio estudantil. Afinal, temos a força da juventude. Podemos transformar nossos sonhos em realidade, porque temos muito tempo de vida pela frente. Já imaginou se todos os nossos colegas aderirem ao nosso sonho de criar uma nova realidade, neste planeta?... E assim combinados, com grande entusiasmo, iniciaram os contatos necessários.
Com a tarde livre, Rafa entrou no escritório do pai, que alternava os horários de  suas atividades online, como Advogado, com a esposa Psicóloga, que agora atendia online. Ficou ali, observando seu pai dando entrada em algumas petições em PDF, depois de instalar um aplicativo que validava seu acesso ao Fórum Virtual e ficou imaginando como seu pai e sua mãe poderiam continuar trabalhando, durante a quarentena, sem esses novos recursos. Novamente sentiu-se grato... Sua família havia sido poupada desse sofrimento...
No pequeno intervalo para o café da tarde, sentou-se à mesa com eles e relatou o seu estranho sonho, como esta experiência havia mudado sua maneira de ver o mundo e os projetos solidários que pensava desenvolver com seus colegas.  Os pais de Rafa se levantaram e o abraçaram, afetuosamente, compartilhando com o olhar uma frase silenciosa: _Que pesadelo mais abençoado!...
Algumas lágrimas de gratidão escorriam dos olhos dos três familiares. Eles conversaram longamente sobre o que todos estavam vivendo. Nada seria como antes! A transformação social seria intensa. Algumas atividades profissionais deixariam de existir e outras iriam surgir. Tudo isto exigiria muito estudo e muitas adaptações por parte de cada pessoa; , exigiria cada vez mais amor pela tarefa!... Velhos sonhos iriam morrer; novos sonhos iriam renascer e ganhar força; pesadelos serviriam para reflexões profundas, vindas do inconsciente coletivo da sociedade que despertava e eles sabiam que teriam que deixar ir embora  o medo da mudança; precisariam reinventar-se e nutrir a esperança de dias melhores. Acima de tudo sabiam que isto só dependeria do esforço e dedicação de cada um... Mãos à Obra!!! Disseram em uníssono, lançando a semente familiar de um Novo Tempo.

                          Sueli Meirelles, em Nova Friburgo, 20 de julho de 2020.
                   Psicóloga Transpessoal, Pesquisadora, Escritora e Palestrante.
Compartilhe e ajude a formar a Massa Crística da Nova Consciência Planetária.
Whtasapp: 55 22 999557166






sábado, 18 de julho de 2020

VÍRUS SÃO APENAS INFORMAÇÃO GENÉTICA

Segundo o Pesquisador Gregg Braden, os vírus são formados por DNA, RNA e Proteínas, cujas antenas buscam uma célula para se multiplicarem, desse modo alterando a programação celular. Você vai permitir que eles façam isso com você ou vai fortalecer o seu sistema imunológico e reagir?
Whatsaap: 55 22 99955-7166
Email: suelimeirelles@gmail.com
Site: www.suelimeirelles.com

segunda-feira, 13 de julho de 2020

ANIVERSÁRIO EM QUARENTENA



Desde Dezembro em outras partes do mundo e, desde Março aqui no Brasil, a Quarentena veio para mudar nossos hábitos, de modo definitivo. Se antes as comemorações de aniversário incluíam os almoços ou jantares em algum restaurante, reuniões em família, passeios, viagens e presentes, nestes tempos de isolamento social, interiorização é uma das palavras-chave deste novo modo de ser e estar no mundo. Velhos hábitos foram cortados bruscamente e a interiorização nos existe a reinvenção de nós mesmos. Então, vejamos:
Ao acordar, no dia do seu aniversário você não irá fazer nada do que fazia antes. Vai ter mais tempo para se olhar no espelho e pensar no que gostaria de fazer de novo, neste dia tão especial da sua chegada ao Planeta Terra. Com certeza, algumas reflexões sobre o percurso da vida até este momento, passarão pela sua mente. Em seguida, o sentimento em relação às pessoas que gostaria de ter por perto. Hoje, mais do que nunca, a distância valoriza e traz saudades da proximidade com aqueles que se ama. Anteriormente, quantas vezes as pessoas que conviviam dentro da mesma casa, ficavam sentadas no mesmo sofá, “confraternizando-se” com alguém, no mundo virtual?
Ahhh! Que saudade da presença física, do abraço, do aconchego daqueles que lhe desejam bem!... Neste momento, emerge um sentimento de perda, semelhante àquele que temos em relação aos que passaram para o Plano Espiritual. Sabemos que existem, que estão lá, mas não podemos tocá-los. Talvez este seja a principal característica do plano material da vida. Numa tentativa de preenchimento, agendamos aniversários virtuais pelo Zoom ou Glooge Meet.  Queremos estar juntos, novamente, acalentando a expectativa de podermos tocar aqueles que amamos, sensação que nos remete às lembranças primordiais do colo materno, do calor de outro corpo, da reposição de novas e amorosas energias, olhares próximos, partilha de risos que constroem doces memórias, a cada comemoração: Comer, comungar, morar no coração, fazer uma oração pelo aniversariante... Novos modos de vivenciar a alegria pelo término de mais uma etapa e a chegada de um novo ciclo. Que as lições aprendidas nesses meses de Quarentena possam nos conduzir a novos estados de consciência e evolução e que a volta à convivência presencial resgate este sentido de realmente estarmos presentes na vida uns dos outros. Com certeza, iremos construir belas memórias para nossos aniversários.

                 Sueli Meirelles, em Nova Friburgo, em 13 de Julho de 2020.
Deixe seu like, seu comentário, compartilhe e ajude a formar a Nova Consciência Planetária.
Whatsapp: 55 22 99955-7166


sexta-feira, 10 de julho de 2020

71 = 8


A Leminiscata e a inteireza.
A integridade que, com certeza,
Inicia um Novo Tempo.

Um Tempo de renovação, de realização,
Onde tudo o que aprendemos
No decorrer da existência,
Traz-nos a preciosa experiência,
Que orienta o caminho a seguir.

Novos rumos de elevação da consciência,
Para o aumento da potência evolutiva,
Porque, quanto mais vivemos,
Mais nos conhecemos,
E mais sabemos escolher nossos caminhos,
Desviando-nos dos espinhos
E da agrura sofrida,
Para chegarmos ao Jardim
Da Plenitude da Vida.

Gratidão pelos meus 71 anos.
Sueli Meirelles, em Nova Friburgo, 10 de Julho de 2020